A Escravidão da Mente

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 7.8/10 (4 votes cast)

Autor: Jeronimo Freitas

Num passado recente, escravizar pessoas era uma prática considerada normal. Qualquer pessoa livre, que tivesse condições financeiras para comprar e manter escravos, estaria autorizada a possuí-los. Os escravos eram considerados um bem, uma posse, uma mercadoria que agregava valor a uma propriedade. Por isso era perfeitamente normal querer tê-los. Quanto mais escravos um senhor possuísse, mais respeitado, admirado e invejado ele seria. Por milhares de anos, escravizar seres humanos foi uma tradição incentivada e passada de pai para filho.

Foi a visão vanguardista de uns poucos que mudou esse paradigma. Foi necessário muito tempo, trabalho duro, disputas e mortes, para quebrar a tradição que se perpetuara desde os tempos bíblicos. Não me é difícil imaginar o teor crítico e indignado das conversas dos senhores escravocratas por ocasião do florescimento do movimento de libertação.  Posso imagina-los indagando como alguém poderia querer por fim a uma tradição tão natural e até mesmo abençoada por Deus nas escrituras. Entretanto o tempo mostrou que a prática da escravidão, embora ensinada e recomendada mesmo na Bíblia, não  se sustentava por argumentos que justificassem tamanha crueldade e também que uma pequena minoria de pensadores, em avanço ao seu próprio tempo, foi capaz de fazer uso da razão pondo abaixo a tradição e o dogma.

Foi graças àquela pequena minoria destoante, àquela gente que ousava questionar o modelo vigente, àquelas pessoas que não tinham a mente acorrentada a crenças primitivas e infundadas, gente que olhava a questão através de diferentes ângulos e se recusava a agir como um rebanho de ovelhas, seguindo cegamente seu pastor, que a escravidão passou a ser vista como uma prática intolerável. Esse é um bom exemplo para mostrar que o simples fato de que uma maioria esmagadora acredite ou aceite um determinado conceito ou costume como sendo natural, não significa que tal costume ou prática tenha de ser aceito como sendo ética e moralmente justificável. Não importa o quão melhor possa passar a ser a vida de um escravo em comparação à miseria que se lhe abatia quando vivia livre, ninguém deve ter o direito de escravizar ninguém.

Porém se a escravidão física é hoje considerada um crime hediondo e repugnante aos olhos de todos, a escravidão da mente é paradoxalmente vista como sendo algo nobre, recomendável e estimulado. Incentivar as pessoas a se comportarem e a se submeterem a um código moral escrito por povos primitivos da Idade do Bronze ou da Idade Média é hoje tão largamente aceito e incentivado quanto fôra a escravidão da mão-de-obra até o final do século XIX. As pessoas são pressionadas e bombardeadas, desde a sua mais tenra infância,  com argumentos em favor da fé e a fé, nada mais é que aceitar como sendo verdade tudo o que uma autoridade diz sem apresentar evidencias verificáveis que justifiquem aquilo o que está sendo dito. Em outras palavras, “a fé é aquilo que te faz crer em coisas que a tua própria inteligência rejeita”. (Luiz Fernando Veríssimo).

A religião prega claramente que não se deve duvidar. Ela ensina que a virtude está justamente em aceitar sem questionar e quando tenta passar a idéia de que, sim, devemos questionar o mundo, a prática contradiz seu discurso. A função do Pastor é justamente guiar as ovelhas e mantê-las submissas. Onde todos pensam igual, ninguém pensa muito. Fé não é virtude, é ingenuidade! Não ensine seu filho a ser uma “Maria vai com as outras”.

Os Livres Pensadores, tal qual os abolicionistas de outrora, têm uma enorme batalha pela frente. Libertar mentes incentivando-as a pensar por sim mesmas. Criticar o status quo, baseando-se na razão e no suporte das evidencias. A luta será grande pois os escravocratas não vão querer largar o osso. Sejam vocês os senhores das suas mentes, tomem às mão as rédias das vidas e notem que uma mentira, ainda que repetida um milhão de vezes, por um bilhão de pessoas, não deixa de ser uma mentira.

Leitura relacionada:

A Proliferação da Burrice: http://livrespensadores.net/artigos/humor/a-proliferacao-da-burrice/

Afinal o que é a fé: http://livrespensadores.net/artigos/afinal-o-que-e-a-fe/

O deus bíblico nada mais é que um deus inventado pelos homens: http://livrespensadores.net/artigos/o-deus-biblico-nada-mais-e-que-um-deus-inventado-pelos-homens/

20 Anos Cego: http://livrespensadores.net/artigos/20-anos-cego-rebatendo-e-mails-de-cunho-religioso-n%C2%B01/

A Escravidão da Mente, 7.8 out of 10 based on 4 ratings

Autor(es):

jeronimo

Recifense, radicado em Bruxelas desde 1998. Biólogo com doutorado em Ecologia Humana. Apaixonado pela natureza. Defensor da ciência e do uso da razão. Ateu, humanista e secular, vice-presidente da Organização Livres Pensadores. O principal motivo que me leva a escrever artigos sobre ceticismo e ateísmo é poder fazer uso da minha experiência como cientista e cético contribuindo assim para o combate aos males causados pela superstição, pela crença irracional em divindades, o uso da fé dogmática como um guia moral em detrimento ao uso da razão e pela ignorância científica.

Todas as postagens do(a) autor(a)

One Comment

  1. Parabéns cara, todo mundo deveria ler isso, parabéns msmo, testo lindo e completo consegue abranger tantas coisas ao msmo tempo, muito bem feito.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: +1 (from 1 vote)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+