A juventude brasileira contemporânea

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 7.0/10 (4 votes cast)

Na história humana, os jovens sempre seguiram, ao se tornarem adultos, o modelo de vida de seus pais. Isso incluía desde a profissão até a religião a ser seguida. Isso, somado a diversos outros fatores (como até mesmo a linguagem e demais traços culturais), é passado de pais para filhos por meio do que chamamos de tradição. Contudo, devido à gigantesca quantidade de informações às quais hoje temos acesso, esse paradigma tem sido quebrado.

Segundo dados do Censo do IBGE, o número de católicos tem caído muito nas últimas décadas, enquanto que o número de evangélicos e de pessoas que se dizem “sem religião” tem crescido, o que demonstra perfeitamente essa quebra de paradigmas. Não apenas isso, mas dificilmente, hoje, um jovem seguirá a mesma carreira dos pais.

Ainda segundo o artigo “Censo: Igreja Católica tem queda recorde no percentual de fiéis” do O Globo:

Segundos os dados do Censo 2010, a idade mediana dos católicos apostólicos romanos é de 30 anos e dos evangélicos pentecostais – da Assembleia de Deus, Igreja Universal do Reino de Deus, Nova Vida, etc – é de 27 anos. Já a idade média dos evangélicos de missão – luteranos, presbiterianos, metodistas, batistas, etc – é de 29 anos.

Os espíritas são o grupo religioso com idade mediana mais elevada, 37 anos, e os sem religião, a mais baixa, 26 anos. Seguidores da umbanda e do candomblé têm idade mediana de 32 anos.

Por outro lado, quando falamos do aspecto político, a coisa parece vir esfriando, acomodando-se mesmo, conforme as gerações se seguem: nas décadas de 60 e 70, tivemos até mesmo movimentos políticos armados; na década de 80, tivemos as Diretas Já; e na de 90, os Caras-pintadas. Agora, com toda a corrupção que temos assistido em nosso país, as marchas contra a corrupção dificilmente ultrapassam os dois mil integrantes.

Assim, por mais ousada e inovadora que a juventude contemporânea esteja em alguns aspectos, peca demasiadamente, por acomodação, em outros. Afinal, as “marchas” estão aí, sendo marcadas pelas próprias redes sociais, mas os jovens mostram pouco engajamento e disposição para mudar algo além de suas próprias vidas.

A questão é que não se pode engajar na política, quem quer que seja, à força. Tão pouco isto acontecerá ridicularizando quem não se interessa por política (e aqui não falo de política partidária, mas de engajamento em manifestações que exijam mudanças, por exemplo). Então… O que fazer? Como “desalienar”, digamos assim, os jovens no que tange a esta questão? Eu sinceramente não tenho uma resposta.

A juventude brasileira contemporânea, 7.0 out of 10 based on 4 ratings

Autor(es):

Mário César

Sou formado em Engenharia de Software e QUASE em Ciência da Computação (não concluí). Pretendo, agora, fazer astronomia na USP assim que possível para, depois, me especializar em astrobiologia. Sou um apaixonado pela ciências em geral e gosto muito de investigar alegações extraordinárias (como a ufologia, por exemplo).

Todas as postagens do(a) autor(a)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+