Carolina Maria de Jesus, a escritora que o Brasil esqueceu.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.5/10 (25 votes cast)

FOTO CAROLINA MARIA[1]

 

 

tbs_intro_line

Semi-analfabeta, negra e favelada, Carolina foi mãe de três filhos e nunca se casou.

Apesar de tais condições, a paixão dela pela escrita e leitura

foi tamanha que passou a dividir seu tempo entre cata papel, cuidar dos filhos e escrever.

Lançado pela Livraria Francisco Alves em agosto de 1960,

Quarto de Despejo ganhou oito edições no mesmo ano,

tendo mais de 100 mil exemplares vendidos na época.

tbs_intro_line


 

“Tirando de Letra” – Carolina Maria de Jesus

Parte 1

 

 

Parte 2

 

 

 

Parte 3

 

O Programa “Tirando de Letra”, da UnB TV, entrevista a Prof. Germana Henriques,  falando sobre o livro: “Carolina Maria de Jesus: O Estranho Diário da Escritora Vira Lata”. A Prof. Germana conta um pouco sobre a trajetória de vida da escritora mineira, pobre e catadora mas que virou um fenômeno literário no final dos anos 50.


 

Modelo_herois-copy-25

 

carolina_maria_de_jesus_5Carolina Maria de Jesus nasceu a 14 de Março de 1914 em Sacramento, estado de Minas Gerais, cidade onde viveu sua infância e adolescência.


carolina_maria_de_jesus_5Foi filha de negros
que, provavelmente, migraram do Desemboque para Sacramento quando da mudança da economia da extração de ouro para as atividades agro-pecuárias.

carolina_maria_de_jesus_5Descoberta pelo jornalista Audálio Dantas, repórter da Folha da Noite, Carolina teve suas anotações publicadas em 1960 no livro Quarto de Despejo, que vendeu mais de cem mil exemplares. A obra foi prefaciada pelo escritor italiano Alberto Moravia e traduzida para 29 idiomas. Em 1961, o livro foi adaptado como peça teatral por Edi Lima e encenado no Teatro Nídia Lícia, no mesmo ano. Sua obra também virou filme, produzido pela Televisão Alemã, que utilizou a própria Carolina de Jesus como protagonista do longa-metragem Despertar de um sonho (inédito no Brasil).

 

carolina_maria_de_jesus_5Quanto a sua escolaridade em Sacramento, provavelmente foi matriculada em 1923, no Colégio Allan Kardec, primeiro Colégio Espírita do Brasil, fundado em 31 de Janeiro de 1907, por Eurípedes Barsanulfo. Nessa época, as crianças pobres da cidade eram mantidas no Colégio através da ajuda de pessoas influentes. A benfeitora de Carolina Maria de Jesus foi a senhora Maria Leite Monteiro de Barros, pessoa para quem a mãe de Carolina trabalhava como lavadeira. No Colégio Allan Kardec Carolina estudou pouco mais de dois anos. Toda sua educação formal na leitura e escrita advêm deste pouco tempo de estudos.

carolina_maria_de_jesus_5Mesmo diante todas as mazelas, perdas e discriminações que sofreu em Sacramento, por ser negra e pobre, Carolina revela através de sua escritura a importância do testemunho como meio de denúncia sócio-política de uma cultura hegemônica que exclui aqueles que lhe são alteridade.

carolina_maria_de_jesus_5A obra mais conhecida, com tiragem inicial de dez mil exemplares esgotados na primeira semana, e traduzida em 13 idiomas nos últimos 35 anos é Quarto de Despejo. Essa obra resgata e delata uma face da vida cultural brasileira quando do início da modernização da cidade de São Paulo e da criação de suas favelas. Face cruel e perversa, pouco conhecida e muito dissimulada, resultado do temor que as elites vivenciam em tempos de perda de hegemonia. Sem necessidade de precisarem as áreas de onde vem os perigos, a elite que resguarda hegemonias não suaviza atos e conseqüências quando ameaçadas por “gente de fora” (leia-se, “gente de baixo”). Essa literatura documentária de contestação, tal como foi conhecida e nomeada pelo jornalismo de denúncia dos anos 50-60, é hoje a literatura das vozes subalternas que enunciam-se, a partir dos anos 70, pelos testemunhos narrativos femininos.

carolina_maria_de_jesus_5Segundo pesquisas do professor Carlos Alberto Cerchi, Quarto de Despejo inspirou diversas expressões artísticas como a letra do samba “Quarto de Despejo” de B. Lobo; como o texto em debate no livro “Eu te arrespondo Carolina” de Herculano Neves; como a adaptação teatral de Edy Lima; como o filme realizada pela Televisão Alemã, utilizando a própria Carolina de Jesus como protagonista do filme “Despertar de um sonho” (ainda inédito no Brasil); e, finalmente, a adaptação para a série “Caso Verdade” da Rede Globo de Televisão em 1983.

claricelispector_carolinamariadejesus

Carolina Maria de Jesus com Clarice Lispector.

 

quarto-de-despejo-carolina-maria-de-jesus-autografado_MLB-F-2878772082_072012

Livro autografado por Carolina Maria de Jesus


 

Em São Paulo,  foi empregada doméstica, auxiliar de enfermagem, artista de circo.

A escritora deu entrevistas, ganhou prêmios, apareceu na TV. Deixou a favela, recebeu as chaves da cidade. Mas seus livros seguintes não tiveram a mesma repercussão. Logo seria esquecida. Já não era favelada, mas morreu no barraco de um dos filhos

O livro Quarto de despejo vendeu 10 mil exemplares em uma semana. Contradição: no dia do lançamento, teve de catar papel para garantir comida.

 Em maio de 1958 o repórter Audálio Dantas chega à favela para cobrir a inauguração de um parque infantil. Fica intrigado com a mulher (Carolina Maria de Jesus, no caso) que ameaça bêbados sobre os brinquedos: “Se não saírem daí, vou colocá-los em meu livro!”

A obra de Carolina Maria de Jesus é um referencial importante para os Estudos Culturais, tanto no Brasil como no exterior.

Carolina foi mãe de três filhos: João José de Jesus, José Carlos de Jesus e Vera Eunice de Jesus Lima.

Faleceu em 13 de Fevereiro de 1977, com 62 anos de idade e foi sepultada no Cemitério da Vila Cipó, cerca de 40 Km do centro de São Paulo.

 


 

CAROLINA

 

 

mulheresdefibra2_92“Quarto de Despejo” antecipou o gênero “depoimento” e “testemunho” que, no final do século XX, tanto encanta leitores e estudiosos da literatura. No caso dos diários de Carolina, no entanto, ao desejo de conhecer a vida alheia soma-se um outro fator de interesse: o cotidiano que seu livro devassa é muito distinto daquele em que vivem seus leitores. Já pelo título da obra de estréia, o leitor percebe que vai adentrar lugares aos quais não está habituado.

  mulheresdefibra2_92Promete e traça uma cartografia de espaços degradados, relacionados a restos, a desordem, a coisas que ninguém mais quer. A própria Carolina desvela a metáfora que serve de título ao seu livro:

9788508105311

(…) em 1948, quando começaram a demolir as casas térreas para construir os edifícios, nós, os pobres que residíamos nas habitações coletivas, fomos despejados e ficamos residindo debaixo das pontes. É por isso que eu denomino que a favela é o quarto de despejo de uma cidade. Nós, os pobres, somos os trastes velhos.

mulheresdefibra2_92A vontade de conhecer e entender o outro, na busca por um mundo mais justo manifesta-se com freqüência nos anos sessenta, talvez na esteira da vitoriosa revolução socialista cubana. Também nessa época intensifica-se o movimento feminista, passando as mulheres a exigir condições de vida e de trabalho iguais às dos homens. Veja na cronologia alguns eventos ligados ao feminismo. Ainda que muito tenuemente, começa-se a pensar que, embora sejamos todos diferentes (mulheres e homens, negros e brancos, brasileiros e europeus) devemos ser todos tratados de forma igual, devemos ter todos os mesmos direitos e oportunidades.

 


 

Gold-star-graphicQuando consegue algum alimento, a narradora reflete sobre sua condição de pessoa expulsa do mundo humano:
“Quando eu levava feijão pensava: hoje eu estou parecendo gente bem, vou cozinhar feijão. Parece até um sonho!”

Gold-star-graphicA miséria que presencia é tão chocante que Carolina acha que alguém poderia não acreditar no que conta:
“…. Há existir alguém que lendo o que eu escrevo dirá… isto é mentira! Mas, as misérias são reais.”

Gold-star-graphicCom grande senso crítico, a autora destaca as visitas do padre à favela:
“De manhã o padre veio dizer missa. Ontem ele veio com o carro capela e disse aos favelados que eles precisam ter filhos. Penso: porque há de ser o pobre quem há de ter filhos ¬ se filhos de pobre tem que ser operário? (…) Para o senhor vigário, os filhos de pobre criam só com pão. Não vestem e não calçam.”

Gold-star-graphicO contraste entre a favela e a cidade é percebido com acuidade e senso crítico por Carolina:
“Quando eu vou na cidade tenho a impressão de que estou no paraíso. Acho sublime ver aquelas mulheres e crianças tão bem vestidas. Tão diferentes da favela. As casas com seus vasos de flores e cores variadas.Aquelas paisagens há de encantar os visitantes de São Paulo, que ignoram que a cidade mais afamada da América do Sul está enferma. Com as suas ulceras. As favelas.”

Gold-star-graphicFatos corriqueiros como brigas entre marido e mulher, entre as mulheres e os bêbados, a presença da Rádio Patrulha, mortes por intoxicação com alimentos putrefatos são narrados com detalhes por Carolina:
“Eu já estou tão habituada a ver brigas que já não impressiono. Despertei com um bate-fundo perto da janela. Era a Ida e a Amália.A briga começou lá na Leila. Elas não respeitam nem a extinta. O Joaquim interviu pedindo para respeitar o corpo. Elas foram brigar na rua.”

Gold-star-graphicAo olhar atento da narradora nada escapa:
“…. Nas favelas, as jovens de 15 anos permanecem até a gora que elas querem. Mescla-se com as meretrizes, contam suas aventuras [...] Há os que trabalham. E há os que levam a vida a torto e a direito.As pessoas de mais idade trabalham, os jovens é que renegam o trabalho. Tem as mães, que catam frutas e legumes nas feiras. Tem as igrejas que dá pão.”

Gold-star-graphicSempre em atrito com os vizinhos por causa dos filhos, Carolina diz:
“ Os meus filhos estão defendendo-me. Vocês são incultas, não pode compreender. Vou escrever um livro referente a favela. Hei de citar tudo que aqui se passa. E tudo que vocês me fazem. Eu quero escrever o livro, e vocês com estas cenas desagradáveis me fornece os argumentos.”

Gold-star-graphicCarolina demonstra ser uma pessoa exatamente atualizada em relação ao que se passa na vida política do país, o que se comprova pelas constantes referências aos políticos em destaque na época, como Carlos Lacerda, Jânio Quadros, Adhemar de Barros e Juscelino Kubitschek.A exploração da boa-fé do povo pelos políticos na época de eleições, as visitas dos candidatos à favela, os pequenos agrados e as promessas não cumpridas são registradas pela narradora de forma crítica e consciente:
“…. Quando um político diz nos seus discursos que está ao lado do povo, que visa incluir-se na política para melhorar as nossas condições de vida pedindo o nosso voto prometendo congelar os preços, já está ciente
que abordando este grave problema ele vence nas urnas. Depois divorcia-se do povo. Olho o povo com os olhos semicerrados. Com um orgulho que fere a nossa sensibilidade.”

Gold-star-graphicSobre sua obra, Carolina afirma:
“Escrevo a miséria e a vida infausta dos favelados. Eu era revoltada, não acreditava em ninguém. Odiava os políticos e os patrões, porque o meu sonho era escrever e o pobre não pode ter ideal nobre. Eu sabia que ia angariar inimigos, porque ninguém está habituado a esse tipo de literatura. Seja o que Deus quiser. Eu escrevi a realidade.”

 

 

digitalizar0003

 


 

“Heróis de Todo Mundo” – Carolina Maria de Jesus

Interpretada pela atriz Ruth de Souza.

Parte única


 

Carolina Maria de Jesus – “Diário de Bitita”

Parte única

Reportagem sobre a escritora de Sacramento, Carolina Maria de Jesus, realizada pela Rede Integração (Globo), com participação de Audálio Dantas (Jornalista), Vera Eunice (Filha), Marisa (Neta), e Berto Cerchi (Historiador e Escritor), na ocasião do lançamento da re-edição do Livro “Diário de Bitita”, pela Editora Bertolucci.


 

Verônica Ferriani canta “A Marcha do Pinguço”, composta por Carolina Maria de Jesus.

Parte única


 

Verônica Ferriani canta “Ra-Re-Ri-Ro-Rua”, de Carolina Maria de Jesus

Parte única


Bônus
Raro Lp de Carolina Maria de Jesus (Quarto de Despejo) cantando suas próprias composições.

 

Carolina Maria de Jesus, a escritora que o Brasil esqueceu., 8.5 out of 10 based on 25 ratings

Autor(es):

Gregori

Sou nato da cidade de Fortaleza no estado nordestino do Ceará, filho de pais professores, neto de imigrantes italianos e admirador do físico Albert Einstein, desde pequeno sonhava em ser cientista, incentivava os colegas ao mesmo, pesquisava teorias cientificas que explicassem o mundo que nos cerca, a gravidade, as moléculas, a energia, tudo me fascinava... Sempre muito curioso, "bulia" nos objetos a fim de descobrir como tais funcionavam (e quase sempre quebrava-os). Amante de computadores desde 1996, aprendi que essa ferramenta me oferecia oportunidades únicas de aprendizado, o primeiro contato com internet ocorreu em fevereiro de 1999 e guardo na lembrança esse momento, escutava os sons nada harmônicos da conexão 56kbps esperando pelo milagre da "janela colorida", como assim chamava a página de internet; nesse mesmo ano fiz primeira eucaristia no Colégio Santa Cecília, tradicional católico, onde estudava, boas e inesquecíveis lembranças; a eucaristia era quase uma obrigação familiar, saudoso avô (e padrinho) era católico fervoroso, contudo, meu interesse para tal era nulo e por consequência nunca decorei as "benditas" rezas, conclusão: a professora quase me reprovou! O tempo passou e sai desse colégio, indo para de ensino evangélico, onde a religião não era tão enraizada na mentalidade dos profissionais que ali trabalhavam, nesse ambiente fui líder de grupos e fiz parte do editorial do jornal da escola, e assim conheci principal habilidade: a criatividade, promovendo muito das exposições realizadas pela instituição, tive oportunidade de visitar emissoras de T.V. e jornais locais, finalizei o curso alguns anos depois; atualmente estudo Audiovisual e Novas Mídias na Unifor. Esportista radical, cineasta, escritor e poeta; enfim, aqui terão a oportunidade de melhor conhecer-me, um jovem que coleciona belas histórias.

Todas as postagens do(a) autor(a)

One Comment

  1. Que interessante! Vou procurar a obra dela para ler. :D

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: +1 (from 1 vote)

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


5 + nove =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>