Partido Islâmico Brasileiro

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (8 votes cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.


Acabo de ler sobre a tentativa de criação do PIB, Partido Islâmico Brasileiro. Vou admitir logo de início que não serei imparcial nesse texto, não acho que alguma vez fui 100% imparcial, mas nesse eu nem me esforçarei. Tenho certo desprezo por todas as religiões, do cristianismo ao hinduísmo, no entanto o islamismo eu guardo em um lugar especial, onde apenas os meus ódios mais profundos são guardados. Que fique claro. Esse ódio não é de islâmicos, e sim do islamismo, se você, caro leitor não sabe diferenciar os dois, não é problema meu, a não ser que o islâmico em questão seja fanático, terrorista e/ou fundamentalista, neste caso, odeio também o islâmico.

 Palavras inexistem para descrever o tamanho da desgraça que seria o Brasil com líderes islâmicos. Só a bancada evangélica já é um grande retrocesso para o país. Uma porcentagem, mínima que fosse de islâmicos na câmara, bastaria para nos levar de volta a idade média europeia – já sinto o cheiro dos corpos queimando. Talvez esteja exagerando, no site deles é visível que eles têm conhecimento de que o Brasil não é um país culturalmente islâmico, contudo, após observação mais detalhada, se torna óbvio que isso é um disfarce, pois de outra forma não atrairiam eleitores. Só que a máscara cai quando o partido afirma que o consumo de bebida alcoólica ocorre somente devido a propaganda, sem ela seria cabível proibir o consumo. Vou repetir caso pessoas mais lentas de compreensão estejam lendo esse texto. Proibir, no Brasil, o consumo, distribuição e fabricação de bebidas alcoólicas, no país da Ambev. Por um minuto sou levado a acreditar que os líderes do partido são na verdade traficantes querendo incluir um novo produto em seu catálogo, mas essa gente é inocente demais para um esquema dessas proporções, eles querem proibir o álcool somente porque Alá não gosta. Pelo menos não enquanto estivermos vivos, já que depois da morte, o paraíso oferece rios de vinho, que não deixa aquele que o bebe embriagado, também conhecido como suco de uva. Acha que eu estou mentindo, ora, pesquise você sobre o paraíso na cultura islâmica, talvez realmente esteja. Mas o álcool é o menor dos problemas, me afeta de modo pessoal, pois sou apreciador dos vinhos, uísques e outros líquidos para mim sagrados, por isso elevo sua importância, mas admito que seja a ponta do iceberg. A ameaça real é a tentativa de instaurar uma teocracia islâmica em um país de variedade religiosa como o Brasil. Por mais que eles neguem em todos os momentos esse objetivo, quando se diz que a intensão geral do partido é gerar um governo com ideais nem capitalistas ou comunistas, nem liberais ou socialistas, mas sim unicamente islâmicas, logo se deve supor que o plano é tornar o Brasil uma nação islâmica, talvez por enquanto tolerante aos ideais contrários, mas isso é uma questão de tempo. Anos atrás os imigrantes islâmicos na Europa eram tolerantes aos costumes locais, hoje, como chegaram a um maior número, querem proibir a presença de cães em seus bairros entre outras leis de cunho estritamente religioso. O mesmo vai acontecer aqui. Já acontece com os pentecostais, que querem exigir a leitura obrigatória da bíblia nas escolas, proibir aborto até nas situações mais extremas (estupro, risco de vida a mãe, anencefalia), impedir a união entre homossexuais de todas as formas possíveis, enfim forçando suas crenças no povo em geral. Com o islam seria o mesmo, só substituindo a bíblia por corão.

De acordo com eles, o segredo para o progresso de nossa nação está no islamismo, pois este proíbe a cobrança de juros, que tanto enriqueceram “os banqueiros sionistas”, o vício das drogas e bebida, o pecado de acordo com Alá. Já é assustador demais para mim, contudo entendo porque algumas pessoas iriam concordar, mas vamos listar algumas consequências que pode trazer a influência islâmica no Brasil. Nada fora da realidade, só exemplos de leis vigentes em alguns países que seguem essa crença. Nossas mulheres serão obrigadas a vestir a burca, eu não sei quanto ao leitor, mas a mim isso parte o coração; apedrejamentos e chibatas em praça pública a mulheres adúlteras e prostitutas; pena de morte a hereges e apostatas, em um estado islâmico cristãos estão inclusos nesse meio; eu já citei isso diversas vezes, mas sinto a necessidade de repetir, proibição da fabricação, distribuição e consumo de bebidas alcoólicas; proibição do consumo da carne de porco (talvez produção também. Não garanto. Se for, é só um dos principais produtos exportados brasileiros, então nem deve afetar nossa economia, assim como o fechamento da Ambev não vai causar desempregos ou consequências graves); entre outros absurdos que podem ser vistos vez ou outra no Oriente Médio.

Não acho que o mundo pode se tornar um lugar melhor, não acredito em direita e esquerda política, acho os dois lados superficiais e incompletos. Não vai ser um partido laico que vai resolver todos os problemas do Brasil. Independentemente disso, tem uma coisa que não quero ver – O país retroceder. E será essa a maior consequência de eleger líderes islâmicos. Transformar o Brasil no Irã.


Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.

Partido Islâmico Brasileiro, 10.0 out of 10 based on 8 ratings

Autor(es):

Raphael Dias

Meu nome é Raphael. Não sou nenhum cientista, nem tenho grandes títulos acadêmicos ou a intensão de um dia ter. Sou um aspirante a escritor (aspirante, apenas) que depois de passar anos acreditando e estudando o espiritismo, percebeu que era tudo uma grande bobagem, assim como as outras religiões e deus em si. Todos os meus textos podem ser encontrados no blog - www.delirandoeescrevendo.blogspot.com.br - Não tenho visitantes assíduos, mas o mantenho atualizado mesmo assim, com contos e opiniões relacionadas ao que me vier na cabeça.

Todas as postagens do(a) autor(a)

13 Comments

  1. Comentário

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  2. Ah, entendi: democracia só é boa se formada por quem a gente concorda.

    Não entendo qual o problema de um grupo de pessoas, numa democracia, se organizar politicamente em torno de suas ideias. O teor destas não tem mérito: se vamos julgar se tem, deixa de ser democracia.

    Por certo que paises com os islâmicos no poder tem uma identificação democrática exígua, mas é da natureza da democracia acatar mesmo as opiniões que a detratam.

    Se este partido tem poder de corroer nossas liberdades, então o problema continua não sendo o teor e mérito da ideia, mas a democracia intitucionalmente frágil. E isto se conserta com mais democracia e não perceguindo quem a gente discorda.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: -1 (from 3 votes)
    • Errado, Epamimondas. A questão não tem a ver com democracia, mas com outro valor: laicidade.

      O Brasil é um Estado Laico e, como tal, não poderia sequer existirem “partidos cristãos”, ou bancada evangélica.

      Essa é a questão. Pessoas podem se organizar e entrar na política, grupos religiosos não. Laicismo é SEPARAÇÃO entre religião e política (elas não podem se misturar).

      VN:F [1.9.22_1171]
      Rating: +1 (from 3 votes)
    • Eles tem total direito de se reunir e formar um partido, nunca disse o contrário. Assim como eu tenho o direito (pelo menos por enquanto) de escrever um texto desprezando-os, isso graças a liberdade de expressão que, na constituição, tem tanto valor, se não mais, que a liberdade de culto.
      Agora, em seu estado atual, a democracia é uma ditadura da maioria, por isso tantas leis favorecendo o cristianismo. Isso é errado, é, mas é assim que gira o mundo. Talvez um dia as pessoas entendam que, existem os que discordam. Creio que essa é a situação perfeita para o mundo – quem quiser seguir determinada religião que siga, quem não quiser não siga – simples. E o Estado não se mete em nenhum dos lados.
      O real problema aqui é o explícito ataque a liberdade e a imposição de uma cultura que nada tem a ver com a nossa. Por isso nem acredito que, caso eles conseguissem se formar, conseguissem algum voto, porque no Brasil você pode impedir o conhecimento, você pode impedir a cultura, mas não ouse tocar nas mulheres e na cerveja. E graças a Shiva por isso!

      VN:F [1.9.22_1171]
      Rating: +1 (from 3 votes)
      • Parabéns pelo excelente e lúcido artigo,Rapahel!! Ele é extremamente pertinente à realidade contemporânea não só nacional como inclusive internacional!!

        VA:F [1.9.22_1171]
        Rating: 0 (from 0 votes)
    • O problema de conceitos como o de democracia (e há diversas variantes desta desta no mundo)é que ,se um país não tiver como valores axiomáticos a secularidade e as liberdades civis,também fornece abertura para a doutrinação das massas por ideologias teocráticas esmagadoras destas mesmas liberdades,dado o acesso ao poder político que o voto lhes permite.Assim sendo,penso que os valores da secularidade e das liberdades civis têm que ser regulamentados como axiomáticos para que a democracia não seja apropriada por seus detratores oportunistas.Esta infeliz apropriação da liberdade democrática pelo voto pelos tiranos de toda sorte se deu inclusive no próprio nazismo.Contudo,neste caso do fundamentalismo islâmico seria mais perigoso ainda,por ser uma ideologia teocrática com lei própria,a Shariah,vestida com o manto da respeitabilidade religiosa tão ao gosto dos conservadores reacionários e disfarçada pela suposta moderação dos que praticam a taqyyia. O exemplo da Turquia atual mostra isto claramente, cujo grande líder secularista , Mustasfá Kemal,chamado de Atatürk(pai dos turcos) havia conseguido tornar secular mas que agora caminha celeremente em retorno à teocracia islâmica ,pela ascensão dos fundamentalistas ao poder,inclusive com a reeleição o primeiro ministro Erdogan.No Egito conseguiram com extremo esforço e mão de ferro deter o processo iniciado pela criminosa Irmandade Islâmica mas isto está lhes custando caro tanto em termos de vidas como de tensões no país,devido ao profundo enraizamento desta ideologia entre as massas e articulações mafiosas desta organização no país e no mundo.

      VA:F [1.9.22_1171]
      Rating: +1 (from 1 vote)
      • Errata :

        – “pelo voto em tiranos ” e não “pelos tiranos”

        – “…(e há diversas variantes desta no mundo)…”

        -“Contudo,neste caso do fundamentalismo islâmico,…”

        -“…Mustasfá Kemal,chamado de Atatürk(pai dos turcos), ”
        -” inclusive com a reeleição do primeiro ministro(e não o primeiro ministro)Erdogan.”
        -” No Egito,…”
        – “… e às articulações mafiosas … ”

        Perdoem estes e outros erros que porventura me tenham passado despercebidos.

        VA:F [1.9.22_1171]
        Rating: +1 (from 1 vote)
  3. Olá Raphael,
    Gsotei demais do seu texto e compartilho do seu olhar sobre essa e outras tempestades do deserto que tentam, ainda que lentamente, aproximarem-se do cotidiano estabelecido. Não que ele seja de todo ruim, mas creio que não é, nem jamais será, por meio de novos organismos religiosos que alcançaremos as mudanças que precisamos. Ao contrário e conforme já tecido pela própria história, só o que esses ‘salvadores’ trouxeram foi atraso e desgradação humana que para mim, soam cada vez mais insanos.
    E de degradação humana eu tenho pavor!!!
    Obrigada por compartilhar seus pensares tão lucidamente…sucesso, sempre!
    Grande abraço,

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  4. Nice, agora além de bancada evangélica também querem uma bancada islâmica?
    Alô religiosos, qual a parte do estado laico que vcs não conseguem entender?

    VN:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  5. Traduzindo…
    A Idade das Trevas batendo a nossa porta…
    A grande pergunta é vamos abrir a porta de novo?

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  6. A proposta desse partido islamico não pode ser vista apenas sob o ponto de vista religioso, como aparenta. O Islamismo vai muito além de uma religião, se trata de uma ideologia completa, com ramificações políticas, economicas, sociais, religiosas e, até mesmo, pessoais, pois invade a vida pessoal das pessoas, impondo-lhes regras. Não se trata de lidar com mais uma religião, mas, com toda uma ideologia, na qual, a religião também está inserida. Religiões são de foro íntimo e pessoal. A lei islamica, Charia, é incompatível com a democracia e com o Estado laico. No momento em que dermos o consentimento para a criação desse partido tal qual ele se encontra, estaremos colocando em sério risco o Estado democrático de direito brasileiro, assim como os direitos fundamentais do cidadão.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  7. Comentário

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)
  8. Uma parte importante da Xaria se ocupa de discriminar os “infiéis”, ou seja, todos aqueles que não querem são islamicos, impondo-lhes punições absurdas, incompatíveis com o século XXI.

    Será que o Brasil, ingenuamente, deixará que algo assim penetre na vida dos brasileiros? Espero ardentemente que não! Não é o legado que quero deixar para meus filhos.

    Nada tenho contra os mulçumanos e defendo profundamente o seu direito de querer, e ser mulçumanos. No entanto, quero que respeitem o meu, de não ser.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+