Politeísmo moderno

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.


Fico pensando: o cristianismo não seria um tipo de politeísmo disfarçado?

Há pessoas que cultivam Jesus em primeiro lugar; outros, a Virgem Maria.

Há devotos de são Francisco de Assis, de são Judas Tadeu, mas quase ninguém é devoto de são Caetano, de são Bruno ou de são Cirilo.

Há santos e santas em departamentos específicos, uma para cuidar da saúde dos olhos, outro para proteger os taxistas – na prática, nada funciona: pessoas perdem a visão, taxistas são assaltados, por vezes assassinados…

Enfim, são tantas entidades divinas que poderiam ser diagramadas em uma pirâmide hierárquica, por ordem de poder ou de preferência do público.

E isso me lembra o velho Petrônio, que ironizava dizendo serem tantos os deuses que era mais fácil esbarrar em uma divindade pelas ruas do que em um cidadão romano.

 

 

Postado por Perce Polegatto


Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.

Politeísmo moderno, 10.0 out of 10 based on 1 rating

Autor(es):

Perce Polegatto

Nascido em Ribeirão Preto, SP. Publicou seu primeiro livro em 1985, “A canção de pedra”, que traz alguns de seus primeiros trabalhos, ainda sob forte influência do romantismo tardio de autores alemães e franceses. A metalinguagem, a busca da identidade humana e o questionamento existencial são algumas das principais marcas de seus textos. É autor de “A conspiração dos felizes”, “A seta de Verena”, “Lisette Maris em seu endereço de inverno” e “Os últimos dias de agosto”, romance recentemente reeditado pela All Print Editora, São Paulo.

Todas as postagens do(a) autor(a)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+