O cuidador de idosos

Posted by on jul 13, 2011 in Artigos | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Autora: Luciana Rodrigues Vasconcellos Fonte: Metacognição “Aquele que envelhece e que segue atentamente esse processo poderá observar como, apesar de as forças falharem e as potencialidades deixarem de ser as que eram, a vida pode, até bastante tarde, ano após ano e até ao fim, ainda ser capaz de aumentar e multiplicar a interminável rede das suas relações e interdependências e como, desde que a memória se mantenha desperta, nada daquilo que é transitório e já se passou se perde.” (Hermann Hesse). A população brasileira envelhece e com isso aumenta a demanda por pessoas capacitadas para exercer a função de cuidador de idosos, por esse motivo vamos falar um pouco do papel deste profissional em instituições asilares e nas famílias. Cuidar é um termo que logo nos remete a dedicação, cautela, atenção, carinho e responsabilidade para com o outro, portanto é um ato de amor. De acordo com a classificação brasileira de ocupações, o cuidador é alguém que “cuida a partir dos objetivos estabelecidos por instituições especializadas ou responsáveis diretos, zelando pelo bem-estar, saúde, alimentação, higiene pessoal, educação, cultura, recreação e lazer da pessoa assistida” (Guia Prático do Cuidador, 2008). Deste modo, não é apenas cuidar da saúde física e […]

Read More

O valor do ceticismo e do livre pensamento

Posted by on jul 8, 2011 in Artigos, Ceticismo, Filosofia | 7 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.0/10 (3 votes cast)

À medida que desconhecemos a natureza que tange a duas opiniões divergentes, devemos suspender o julgamento a fim de sermos livres para indagar sobre as múltiplas hipóteses que sustentariam uma possível afirmação sobre a natureza do desconhecido. No mais, a única afirmação que podemos ter, é que não temos uma afirmação. Com o propósito, então, de chegarmos a um ponto em que nossa razão aceite o fato com tranquilidade, devemos estar cientes da nebulosidade do fato em questão. Devemos então proceder como céticos, estando propícios a sempre nos desprender de nossas crenças, à medida que elas não se fundamentam. Devemos ter em mente, que nossas crenças devem ser o máximo flexíveis, a ponto de ponderá-las sempre que novos estudos as corroborem, ou, caso contrário, devemos descartá-las. A prudência diante de cada objeto de estudo deve ser então amparada pelo ceticismo. Não o ceticismo pirrônico que mais se aproxima a um pensamento dogmático, mas sim de um ceticismo metodológico, em que se: “considera que a realidade é passível de apreensão e proposições verdadeiras podem ser feitas sobre ela. Todavia reconhece não haver garantia “a priori” da veracidade de qualquer afirmativa sobre a realidade (entendida como o que a coisa em si […]

Read More

Deus teria Boas Razões para permitir o Mal?

Posted by on jun 4, 2011 in Artigos, Ateísmo, Filosofia | 19 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (3 votes cast)

A existência do mal, do sofrimento, do desconforto estaria diretamente implicando na inexistência de Deus ou na inexistência de algum atributo dEle. Pelos atributos que caracterizam sua essência, temos a Onipotência, onisciência, onipresença e onibenevolência. Deus teria então, capacidade, conhecimento e bondade o suficiente para que o Bem seja vivido. Poderam me objetar que se assim fosse, Deus não seria bom em relação ao livre-arbitrio. Pois se somente o Bem fosse praticado, nós, sua criação, seríamos parecidos com Robôs Programados e sendo assim não seriamos livres de fato e então, Deus não seria Bom ao nos programar para somente o Bem. Mas esta objeção não tem muita força, pois é refutada logicamente se formos analisar a sua essência. Poderam me objetar também, “argumentando” que Deus teria Boas Razões para permitir a existência do Mal. Para Deus permitir a existência de algo, ele teria que logicamente ter ciência do que está sendo permitido e no que isso implicaria. Pela sua Oniciência podemos considerar que Ele está ciente desta permissão. Ao permitir então a existência do Mal, Deus estaria se contradizendo, ou seja, estaria contradizendo com sua Onibenevolência. Pois sendo Onibenevolente – desejar, pensar, permitir somente o bem – nada justificaria a […]

Read More

“Alunos querem discutir diversidade sexual”, diz professora transexual

Posted by on jun 1, 2011 in Artigos, Ativismo | 2 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Fonte: UOL Notícias Os adolescentes brasileiros estão prontos para discutir a diversidade sexual em sala de aula. Uns têm preconceito, mas muitos outros estão cheio de curiosidade e disposição para debater o tema. Assim pensa a transexual Marina Reidel, professora na escola estadual Rio de Janeiro, em Porto Alegre (RS), e na Fundarte, em Montenegro, no mesmo estado. “Eles querem essas aulas e gostam delas, pois conhecem algo que não é vivido na família.”   Por essa razão, a professora acredita ser um retrocesso o veto ao “kit gay”, como é chamado o material didático criado pelo MEC (Ministério da Educação) para combater a homofobia. “O material é de boa qualidade, não ensina ninguém a ser gay e mostra a realidade na qual vivemos, pois temos alunos que precisam desse apoio”, diz.   “Hoje [no dia da entrevista], inclusive, eu propus um trabalho com tema livre e um grupo decidiu falar sobre a diversidade sexual. Isto é, eles mesmos pedem para falar e alguns até dizem ‘eu não homossexual, mas respeito’.”   A professora, que não revela a idade, transformou-se de Mario em Marina há dez anos. Hoje em dia, é um ícone da luta pelo debate da diversidade sexual em sala […]

Read More

Deus, Tempo e Criação

Posted by on maio 16, 2011 in Artigos, Ateísmo, Filosofia | 20 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 2.0/10 (1 vote cast)

Aliás houve tempo para Deus criar? Proponho uma analogia para entender esse dilema: Existe a possibilidade de podermos aparar o gramado do campo do Corinthians (Barueri)? Seguiria logicamente que não, pois para haver esta possibilidade, a de primeiramente existir o campo do Corinthians com o seu respectivo gramado, para que assim pudéssemos ter a possibilidade – aparar o gramado. Pois bem, no caso da criação do Universo por Deus, haveria esta possibilidade ou seja, a de criação divina antes mesmo da existência do tempo? Em um artigo publicado no site Teismo.net onde a questão é levantada, podemos conferir a seguinte pergunta feita por Blake (Segue o link da postagem W.L. Craig – Deus, Tempo e a Criação) “Dr. Craig, você parece defender que Deus exista fora do tempo quando não há universo [Deus (a)] e dentro do tempo quando há um universo [Deus (b)]. Minha questão é: qual dos dois criou o Universo? Deus (a) não pode criar o universo porque um ser atemporal não “criar” [“criar” é uma ação temporal]. Deus (b) não pode criar o universo porque um ser que exista no tempo não pode criar o tempo no qual Ele existe. Blake” Por Atemporal, queremos dizer que esteja Fora do […]

Read More

The Atheism Tapes – As Fitas do Ateísmo

Posted by on maio 6, 2011 in Científicos, Documentários, Filosóficos, Religiosos/Ateístas | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (5 votes cast)

The Atheism Tapes é uma série de seis documentários para a TV produzida por Jonathan Miller para a Rede BBC, em 2004. Cada um dos seis episódios traz um expoente de determinada área do conhecimento. Filósofo inglês, Colin McGinn Físico norte-americano, ganhador do prêmio Nobel, Steven Weinberg Dramaturgo norte-americano, Arthur Miller Biólogo inglês, Richard Dawkins Teólogo britânico, Denys Turner Filósofo norte-americano, Daniel Dennett Nesta série inovadora, o neurologista, dramaturgo e ateu Jonathan Miller entrevistou seis expoentes das Letras e Ciência. O autor Richard Dawkins, os filósofos Daniel Dennett e Colin McGinn, o dramaturgo Arthur Miller, o teólogo Denys Turner e o físico Steven Weinberg discutem suas jornadas intelectuais pessoais e oferecem análises esclarecedoras do ateísmo a partir de várias perspectivas. Parte 1: O filósofo inglês McGinn fala sobre as várias razões para não se acreditar em Deus, e algumas das razões pelas quais acreditar. Ele fornece uma completa abordagem do argumento ontológico. Além disso, McGinn traça importante distinção entre ateísmo (ausência de crença numa divindade) e antiteísmo (oposição ativa ao teísmo); ele se classifica como ateu e antiteísta. Por fim, especula sobre uma sociedade pós-teísta.   httpv://www.youtube.com/watch?v=t89bACB0aSs   Download   Parte 2: O físico americano Steven Weinberg fala sobre a efetividade do argumento da criação, no passado e nos dias de hoje. Ele também aborda as razões pelas quais as pessoas se tornam religiosas, incluindo as […]

Read More

Experiência Mística

Posted by on maio 5, 2011 in Ateísmo, Ceticismo, Filosofia | 4 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (3 votes cast)

  Afinal, o que seria essa experiência, o que a definiria? Uma súbita sensação de paz? Um certo clamor inimaginável? Uma visão inexplicável? O que seria essa Experiência Religiosa? Aquele que a teve, que a proclame. Eu não tive. Terei? Não sei. Não sei o que irei vivenciar. Não sei se irei vivenciar. Não sei se pode ser vivenciado . Acreditar no que é me dito? Porque não? Se eu vivê-lo, que ao menos não me reste dúvidas. O que estarei vivenciando?! De onde origina-se?! De quem origina-se?! Enquanto isso, prefiro acreditar no que tenho em mãos. O mistério é real. Pois ele está presente. Talvez sempre estará. E por simplesmente estar, é que me faz querer conhecê-lo. Que me faz ser nobre. Que me faz caminhar. Mas não o nomeio. Apenas acolho como simplesmente é, Mistério. Se eu soubesse, não chamaria de mistério. Pois esse é o espírito. Isso que é o mistério. O mistério é aquilo que nos intriga. Ou melhor, me intriga. Me instiga a imaginá-lo, a conhecê-lo. Me faz admirá-lo. Ter medo? Medo do que? De quem? E por que terei? Por não ter passado por essa experiência, não me faz descrer de sua existência. Afinal, […]

Read More

ChatClick here to chat!+