[POEMA] A Rendeira

Posted by on out 4, 2015 in Literatura, Poesias | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

  A rendeira tece seu laçar Tece tece sem parar Sua vida é essa E a graça da moça Bem feita não confessa Que sua promessa É de casar Na mão uma agulha Mas no fundo se orgulha Do fasto trabalho a terminar A bela renda ela vai usar Pra no casamento mais bela ficar A rendeira feliz prepara o linho Branco, clinic vermelho e vinho Essas são as cores onde o amor vai reinar. Autor: Gregori Fiorini

Read More

[POEMA] Saudade

Posted by on out 4, 2015 in Literatura, Poesias | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Saudade, for sale palavra em português Expressa amor a quem se ama Dor a quem falta Desejo de rever Lembrança inesquecível Que mesmo de longe Faz daquele nunca esquecer Autor: Gregori Fiorini

Read More

[CONTOS] As Flores do Orfanato.

Posted by on out 2, 2015 in Conto, Literatura | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Marta e Olívia, shop duas jovens estudantes de Artes se encontravam em uma banca no intervalo de aula, nurse fronte a universidade para comprarem a apostila da cadeira, enquanto o vendedor da banca conversava com o jornaleiro, estava comentado que o orfanato que fora criado necessitava de melhorias, uma pintura que representasse a vida de forma bela, visto muitas delas terem sido abandonadas pelos pais e sentirem solidão. Olívia, para de ler o livro e escuta a conversa, pergunta para o jornaleiro qual era o endereço do lugar e, posteriormente, se compromete a dar novos ares ao orfanato, Marta se anima e concorda com Olívia. O jornaleiro lhe entrega um papel com o endereço, diz a Olívia que o orfanato não teria condições de lhe pagar, infelizmente os custos para mantê-la funcionando são altos. Olívia diz ao jornaleiro que não se importava com o dinheiro, ela era órfã e passou a infância entre orfanatos da cidade onde nascera, e o valor da beleza do lugar é essencial para alimentar a esperança de crianças em ter novas vidas. Marta e Olívia chegam ao orfanato, logo na entrada se observa os paus de madeira improvisados como porta, mofada pelo tempo. Ao abrir […]

Read More

[POEMAS] A Velha Janela

Posted by on out 2, 2015 in Literatura, Poesias | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

A janela que pobre figura, thumb Tão desbotada sem pintura Mas se serve de consolo muitas figuras a viram Mulheres e homens pra ela sorriram Bem do alto uma bela paisagem vislumbra Pena que hoje é refugada por todos Sem valor nenhum até da desgosto Pra quem hoje olha essa velha janela Nem imagina quantas histórias guarda Nesse pedaço de madeira mofada O tempo passou depressa Mas só se interessa A quem por ela foi amada Autor: Gregori Fiorini

Read More

O Senhor dos Deveres Sociais

Posted by on fev 22, 2015 in Artigos, Leitores, Literatura | 4 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/10 (0 votes cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.     Nas narrativas sobre Sidharta Gautama (o Buda), here há um episódio em que ele sofre três tentações: da luxúria, advice do medo e da submissão à opinião alheia. (Vejam que curioso esse último item, algo a que as outras religiões nem se referem.) Ele superou a primeira tentação, porque já se havia desfeito das tentações carnais. Então o Senhor da Luxúria se transformou no senhor da Morte. E lançou contra ele todas as armas de um exército de monstros, para testar seu medo. Mas ele já havia encontrado em si mesmo o ponto da eternidade e não se importava de morrer. As armas, então, se transformaram em flores de reverência. O Senhor da Luxúria e da Morte se transformou no temível Senhor dos Deveres Sociais, e perguntou o que ele havia feito de útil em sua vida prática, já que havia tanta coisa a ser feita. Sidharta tocou o chão com os dedos da mão direita e não se incomodou com a pressão do Senhor dos Deveres Sociais, com isso vencendo a terceira tentação. Nisso, a voz da deusa-mãe do universo ecoou por toda a floresta: “Este é o meu […]

Read More

Canção de ser

Posted by on jan 29, 2015 in Artigos, Leitores, Literatura, Poesias | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores. Cansaço de quem erra em vão. Sépia de retratos nas ruas do Centro Velho. De novo o tilintar de talheres, aroma de cozidos à hora da fome, e é como se os provasse à margem dos que vivem.   Aura da morte no mofo das fachadas, ameaça inerente às coisas que são e têm sido. Torna a chuva a demarcar o tempo, supõe ouvir: é preciso coragem.   Postado por Perce Polegatto   http://www.percepolegatto.com.br/2011/12/29/cancao-de-ser/ Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.

Read More

Nós, os fortes, te agradecemos

Posted by on jan 26, 2015 in Artigos, Leitores, Literatura | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.   Nós, os fortes, te agradecemos (Um conto ateu)   Olhando entre a noite e as grades do Orquidário e seu bosque, outra vez o que me invade ronda a alameda em perspectiva: postes de duas lâmpadas sob globos sem rosto, bases ornamentadas, última linha de sentinelas contra a escuridão, o silêncio de luz esmaecida no jardim mágico onde, pela manhã, Deus parecia habitar entre as árvores, mas não hoje, sob a luz nostálgica do mesmo silêncio, principalmente o silêncio, quase um rumor contínuo, uma surdez, uma dormência. Uma surdez. Uma dormência. No entanto, se move. Focos de luz solar atenuada pelas copas. Uma folha cai. Um sinal de Deus, penso entre as remotas manhãs de orvalho que precedem meu ser ainda. Volto da calçada por onde andei exterminando os cães da vizinhança com minha poderosa metralhadora de plástico. Duas amigas de minha mãe, também voluntárias da igreja, abrem-me sorrisos na sala e me abençoam à sua maneira. Deus flutua entre as árvores do Orquidário, mas sei que se prolonga de alguma forma nessas mulheres convictas que gentilmente me afagam. Que mais tarde trocam com minha mãe notícias sobre conhecidos e pessoas […]

Read More

Filme – “Vidas Secas” (Baseado na obra de Graciliano Ramos)

Posted by on abr 8, 2013 in Artigos, Documentários, Filmes, Literatura, Vídeos | 1 comment

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.3/10 (11 votes cast)

Vidas Secas é um romance de Graciliano Ramos, and escrito entre 1937 e 1938, publicado originalmente em 1938. O livro, narrado em terceira pessoa, aborda uma família de retirantes do sertão brasileiro, sendo a sua vida sub-humana condicionada diante de problemas sociais como a seca, a pobreza, e a fome, e, consecutivamente, no caleidoscópio de sentimentos e emoções que essa sua condição lhe obriga a viver, ao procurar meios de sobrevivência, criando, assim, uma ligação ainda muito forte com a situação social do Brasil hoje. Durante o processo editorial do livro, Graciliano mostrou-se inteiramente cuidadoso com sua criação, frequentando a gráfica e depois disso responsável pela elaboração do livro diversas vezes, examinando meticulosamente o material quando esse entrava no prelo, para ter a certeza que a revisão não interferiria em seu texto. Após sua publicação no Brasil em 1938, o livro circulou em território estrangeiro durante um bom tempo, sendo primeiramente lançado na Polônia e depois na Argentina, seguida por República Tcheca, Rússia, Itália, Portugal, França, Espanha e em outros. No Brasil, encontra-se em sua centésima sexta edição. Por conta da consciência social que existe no conteúdo do livro, moldada através de uma estrutura dramática, o enredo tem sido analisado […]

Read More

Carolina Maria de Jesus, a escritora que o Brasil esqueceu.

Posted by on fev 3, 2013 in Artigos, Biografia, Literatura | 2 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.5/10 (49 votes cast)

    Semi-analfabeta, check negra e favelada, this Carolina foi mãe de três filhos e nunca se casou. Apesar de tais condições, this web a paixão dela pela escrita e leitura foi tamanha que passou a dividir seu tempo entre cata papel, cuidar dos filhos e escrever. Lançado pela Livraria Francisco Alves em agosto de 1960, Quarto de Despejo ganhou oito edições no mesmo ano, tendo mais de 100 mil exemplares vendidos na época.   “Tirando de Letra” – Carolina Maria de Jesus Parte 1     Parte 2       Parte 3   O Programa “Tirando de Letra”, da UnB TV, entrevista a Prof. Germana Henriques,  falando sobre o livro: “Carolina Maria de Jesus: O Estranho Diário da Escritora Vira Lata”. A Prof. Germana conta um pouco sobre a trajetória de vida da escritora mineira, pobre e catadora mas que virou um fenômeno literário no final dos anos 50.     Carolina Maria de Jesus nasceu a 14 de Março de 1914 em Sacramento, estado de Minas Gerais, cidade onde viveu sua infância e adolescência. Foi filha de negros que, provavelmente, migraram do Desemboque para Sacramento quando da mudança da economia da extração de ouro para as atividades agro-pecuárias. Descoberta pelo […]

Read More

Edgar Allan Poe, a genialidade detrás de uma mente perturbada.

Posted by on nov 18, 2012 in Artigos, Biografia, Literatura | 1 comment

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (5 votes cast)

Edgar Allan Poe é filho de atores, e foi órfão muito cedo, sendo adotado por uma família de Virgínia. Teve uma boa educação e entrou para a Universidade de Charlotesville na Academia de West Point. Embora fosse bom aluno, era indisciplinado. Enfrentou problemas de ordem familiar depois da morte de sua mãe adotiva e do casamento de seu pai com uma jovem, o que fez com que não tivesse direito aos bens. Os poemas e contos de Poe eram destaque nos EUA. Chegou a ganhar concursos literários, como o da revista “Southern Literary Messager”, cujo dono, Thomas White, o convidou para dirigir a publicação. Porém, por conta de seus problemas com o alcoolismo, Poe corta os laços profissionais com White. Foi um autor, poeta, editor e crítico literário estadunidense, fez parte do movimento romântico americano. Conhecido por suas histórias que envolvem o mistério e o macabro, Poe foi um dos primeiros escritores americanos de contos e é considerado o inventor do gênero ficção policial, também recebendo crédito por contribuição ao emergente gênero de ficção científica. Ele foi o primeiro escritor americano conhecido a tentar ganhar a vida através da escrita por si só, resultando em uma vida e carreira financeiramente difícil. Ele nasceu como Edgar Poe, em Boston, Massachusetts; quando […]

Read More

Randy Pausch, O Professor Que Nos Ensinou a Viver.

Posted by on jun 7, 2012 in Artigos, Biografia, Literatura | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Em outubro de 2007, com apenas 46 anos de idade, o professor Randy Pausch resolveu se despedir simbolicamente de seus estudantes, uma prática comum entre os professores da Universidade Carneguie Mellon, nos Estados Unidos. Algo como tentar ensinar aos estudantes tudo o que aprenderam até então. A forma escolhida pelo professor Randy para se “despedir” foi uma palestra chamada “Como Fazer para Realizar Seus Sonhos de Criança”, onde ele conta um pouco da história de sua vida, sua infância, seus pais, suas experiências e sobre as lições que aprendeu durante o percurso. E tudo isso, pouco tempo após ter descoberto que estava sofrendo de câncer do pâncreas e contando com poucos meses de vida. No caso de Randy, infelizmente a palestra se tornou uma despedida real…   Biografia de Randy Pausch    Co-fundador do CMU’s Entertainment Technology Center Desenvolvedor de Realidade Virtual com Engenheiros da Disney Palestras motivacionais sobre a vida Batalha contra o câncer Prêmios Karl V. Karlstrom Outstanding Educator Award ACM Special Interest Group on Computer Science Education Award for Outstanding Contributions to Computer Science Education Uma das 100 Pessoas mais influentes do ano de 2007 Randolph Frederick Pausch, conhecido como Randy Pausch, foi um professor de Ciência da Computação,Interação homem-computador e Design na Carnegie […]

Read More

ChatClick here to chat!+