Documentários – “Leve-me Para Sair” e “Não Gosto Dos Meninos” (Tema: homossexualidade)

Posted by on abr 17, 2013 in Artigos, Ativismo, Documentários | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (3 votes cast)

  Dezenove minutos de muitos questionamentos: “Qual a sua opção sexual?”, “Homossexual, lésbica, gay, homoafetivo?”, “Ser gay te define?”, “Você tem medo?”. Essas são algumas das muitas perguntas que serviram de pano de fundo para o documentário Leve-me pra sair, realizado pelo Coletivo Lumika. Um grupo e dez jovens, com idade entre 16 e 18 anos, expõe seu ponto de vista sobre vários assuntos ligados à orientação sexual. De maneira simples e até bem humorada, a nova geração fala com clareza e naturalidade sobre impasses e conquistas vivenciadas durante e após a decisão de assumir suas “preferências”. Documentário “Leve-me Para Sair”. Parte única       Documentário “Não Gosto Dos Meninos”. O filme é um projeto que reuniu 40 pessoas de histórias de vida diferentes com o objetivo de mostrar que a real da homossexualidade. “Hoje, sem exceção, somos todos infinitamente mais felizes, abertos e seguros.” dizem os criadores do projeto. Parte única         Bônus Documentário “Terceiro Sexo”, retratando a vida dos transsexuais. Parte única     Documentário “Mãe de Gay”   O documentário aborda as relações e conflitos de mães de filhos gays na sociedade atual. Mostra a relação familiar de homossexuais, dando destaque para a mãe que é considerada o […]

Read More

A guerra que você não vê – de John Pilger

Posted by on mar 21, 2011 in Ativismo, Documentários | 1 comment

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.4/10 (5 votes cast)

“The War You Don’t See” é uma investigação poderosa e oportuna sobre o papel da mídia na guerra, traçando a história das reportagens independentes e incorporadas da carnificina da Primeira Guerra Mundial à destruição de Hiroshima, e desde a invasão do Vietnã à atual Guerra do Afeganistão e o desastre no Iraque. Como as armas e propaganda se tornam ainda mais sofisticadas, a natureza da guerra está se desenvolvendo em um “campo de batalha eletrônica”, em que os jornalistas desempenham um papel fundamental, e os civis são as vítimas. Inclui uma entrevista com o fundador e editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange. Por isto que sempre afirmo: jornalismo bom é jornalismo que incomoda. Prefiro jornais investigando e perseguindo os poderosos a fim de jogar a verdade no ventilador, do que jornalismo omisso, que acaba se tornando ferramenta na mão dos poderosos. Isso independente de quem governa, qual seu partido, etc. Com nossos agradecimentos ao Rodrigo Tomé pela indicação do documentário e ao canal josespa1 do Youtube. 😉

Read More

ChatClick here to chat!+