[CONTOS] As Flores do Orfanato.

Posted by on out 2, 2015 in Conto, Literatura | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Marta e Olívia, duas jovens estudantes de Artes se encontravam em uma banca no intervalo de aula, fronte a universidade para comprarem a apostila da cadeira, enquanto o vendedor da banca conversava com o jornaleiro, estava comentado que o orfanato que fora criado necessitava de melhorias, uma pintura que representasse a vida de forma bela, visto muitas delas terem sido abandonadas pelos pais e sentirem solidão. Olívia, para de ler o livro e escuta a conversa, pergunta para o jornaleiro qual era o endereço do lugar e, posteriormente, se compromete a dar novos ares ao orfanato, Marta se anima e concorda com Olívia. O jornaleiro lhe entrega um papel com o endereço, diz a Olívia que o orfanato não teria condições de lhe pagar, infelizmente os custos para mantê-la funcionando são altos. Olívia diz ao jornaleiro que não se importava com o dinheiro, ela era órfã e passou a infância entre orfanatos da cidade onde nascera, e o valor da beleza do lugar é essencial para alimentar a esperança de crianças em ter novas vidas. Marta e Olívia chegam ao orfanato, logo na entrada se observa os paus de madeira improvisados como porta, mofada pelo tempo. Ao abrir a porta, […]

Read More

Século 25

Posted by on fev 24, 2015 in Artigos, Conto, Leitores | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores. Ficção. Século 25. O mundo dominado pelas religiões. Ateus não existem mais, seus livros foram destruídos, e toda criança é doutrinada, desde muito cedo, com recursos didáticos bastante sofisticados, sob a disciplina de poderosas igrejas. Questão de vestibular:   17. Onde fica o Inferno?   a)  No Sol. b)  No centro da Terra. c)  Na camada inferior dos vulcões. d)  No subterrâneo do deserto do Saara. e)  Em minha imaginação.   Devido a uma confusão na gráfica, a questão foi publicada assim, por erro, e gerou polêmica. Foi anulada, pois não tinha resposta certa, ficou sem gabarito. Por causa desse episódio inusitado, um adolescente de 17 anos começou a pensar. Sua amiga, que tinha prestado a mesma prova, também começou a pensar. Começaram a trocar ideias, secretamente. Depois souberam que mais jovens como eles estavam pensando também. Aos poucos, a inteligência humana voltou a se espalhar pela Terra.     Postado por Perce Polegatto Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.

Read More

Ideias para conversão.

Posted by on fev 23, 2015 in Artigos, Ateísmo, Conto, Leitores | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/10 (0 votes cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores. Ideias para conversão.   – Então, compadre, que podemos fazer para mostrar a esses ateus teimosos que Deus existe? – Bom, compadre, podemos começar com a mitologia. Todos os povos tinham deuses, deusas, então é porque Deus existe. – Lógico. Ninguém pode viver sem um deus. Mas não sei, não. Quando chegar na parte das ninfas e dos anjos, eles não vão acreditar de novo, eles duvidam de tudo, se recusam a “ver”. – E que tal um criador do universo? Se o universo existe, é porque Deus existe, não é óbvio? – Claro que é óbvio. Mas acho que isso não dá mais, viu… Eles já leram e viram coisas sobre o Big Bang, a origem do Sistema Solar, a origem da vida… Isso não vai “colar” mais, compadre, vai ser difícil. Eles são cegos, acreditam na ciência, sabe como é… – Então que tal o deus do Antigo Testamento, que conversava com Moisés, que mandava Josué acabar com a raça daquele povo das outras cidades… Não é possível que eles não entendam isso. Quem sabe um deles gosta de jogos violentos, coisas de guerra, e se identifica com ele. – […]

Read More

[Contos] “O Carroceiro”.

Posted by on abr 1, 2013 in Artigos, Conto | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (3 votes cast)

Num dia qualquer, num lugar longínquo…  O carroceiro levava a palha seca consigo, levava e trazia vazia, e a carroça de madeira, vetusta, tanto quanto o pobre homem a manusear-la, escutava-se os rangidos, não suportando mais o esforço, larga-lhe com truculência… Com mãos e pernas à tremular, descansa na sombra de um copioso pé-de-jaca, que subitamente tira-lhe o sossego, por haver ali um bilhete, escrito: “Senhor, sei que descansaria nesse pé-de-jaca uma hora ou outra, ao lado desse pé há um pedaço de madeira, puxe-o!”. Com aparente curiosidade, cava um pouco e avista a tal madeira, cavando mais fundo começa a perceber que, na verdade, era outra carroça, e nela um bilhete: “Isto é um presente, o senhor não se lembra, mas quando eu estava para nascer levastes a minha mãe nessa carroça, e esse pé eu mesmo plantei com as sementes da jaca, que o senhor ofereceu quando minha mãe estava passando fome. O via todos os dias, mas só soube hoje quem era o senhor, minha mãe deixou em seu leito de morte, uma caixa, nela continham três medalhões e um desenho seu, a qual ela retratava como o bom “homem da palha”. Pois é, os medalhões eu […]

Read More

Paraíso

Posted by on set 19, 2012 in Artigos, Conto, Leitores | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores. Não conseguia me recordar de nada. Não sabia se estava acordado ou sonhando. Lembro apenas de ter saído de casa para ir à padaria em frente a minha casa, escutei som de tiros e senti uma dor forte que me acompanhou até o momento em que minhas memórias deixam de existir. Não sei como foi que me atingiram, quem, ou de onde. Foi tudo muito rápido. Agora estava no que parecia ser uma utopia, não tinha visto o suficiente, na verdade nem compreendia nada, mas era essa a sensação inicial – que aquele lugar era perfeito. Tudo era claro, tudo era calmo, tudo fluía. Não muito distante e se aproximando lentamente, via um homem. Não havia nada de especial nele, exceto sua atmosfera. Tudo ao seu redor parecia harmônico, quase celestial. Se ele não fosse tão humano, arriscaria dizer que é um anjo. – Bem vindo. – ele me disse – Como você se sente, Roberto? Tudo certo?  – Bem. Mas o que aconteceu? – perguntei, sem nem pensar que ele acabava de dizer o meu nome, mesmo eu não fazendo ideia de quem ele era. A confusão era tanta que não […]

Read More

Ética.

Posted by on jul 31, 2011 in Artigos, Conto | 3 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Este artigo não é de um editor do Livres Pensadores e as opiniões nele externadas são de responsabilidade única e exclusiva de seu autor. Publicamos textos de não editores, sempre, por respeito à liberdade de expressão.                                                     Ética      Eu e uma ótima equipe de médicos estávamos cruzando o atlântico em meu avião particular, lotado de equipamentos cirúrgicos. O destino era Moçambique. Depois de quase um ano desiludido, a esperança resplandecia em minha vida outra vez. Mas para senti-la novamente, a decisão que tive de tomar não foi nenhum pouco fácil.       Meu nome é Otto Areuae. Desde pequeno sempre tive um grande talento para os negócios, quando na época, já conseguia passar a perna em garotos muito mais velhos que eu.       Por sorte, não precisei me valer de artimanhas para ficar bilionário. Tive que usá-las apenas para ficar multibilionário.       Meu pai tinha 45 anos, quando morreu de infarto e me deixou como herança a maior empresa petrolífera do país. Quando eu assumi a empresa, com 27 anos e oito bilhões na “poupança”, comecei a me […]

Read More

ChatClick here to chat!+