Superstições: irracionalidade pura

Posted by on fev 13, 2015 in Artigos, Ceticismo | 0 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Superstições estão associadas à suposição de que alguma “força sobrenatural” age para promover uma suposta “causalidade”. Em outras palavras, superstições são a crença de que tudo que acontece na vida, tanto de bom quanto de mal, tem uma causa sobrenatural, muitas vezes devido a alguma deidade. Assim, superstições não têm fundamentação, não podem ser verificadas de qualquer forma e nem demonstradas de forma racional. Elas normalmente são tradições populares e estão relacionadas com o pensamento mágico. O supersticioso acredita que certas ações (voluntárias ou não) tais como rezas, curas, conjuros, feitiços, maldições ou outros rituais, podem influenciar de alguma maneira a sua vida. Pseudociências também são superstições ou, ao menos, são baseadas em superstições. Isso porque, da mesma forma, não têm qualquer embasamento racional ou científico. Um exemplo clássico disso é a homeopatia, que é a crença de que o “semelhante se cura pelo semelhante”, ou seja, o tratamento se daria a partir da diluição (quase infinita) e dinamização (através da movimentação ou agitação) da mesma substância que produz o sintoma num indivíduo saudável. Quer dizer, se você tem alergia a pelos, seu “medicamento” deveria ter pelos como “princípio ativo”. (A homeopatia não é uma pseudociência apenas por isso: todos os […]

Read More

Ateísmo, deus e ciência

Posted by on ago 20, 2014 in Artigos, Ateísmo | 3 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.1/10 (10 votes cast)

Ateísmo nada mais é do que a descrença em deidades, sejam elas quais forem: tidas como boas, como más, ou de qualquer religião. A questão sobre a inexistência de deidades já é uma história completamente diferente: suspeitar, ter algum nível de certeza ou mesmo crer que deidades não existam varia de ateu para ateu, assim como convicções políticas, gostos musicais, sexualidade, etc. Mesmo a diferença entre ateísmo agnóstico e/ou gnóstico não define isso, já que como o ateu explica sua posição é muito mais decisivo do que como ele se posiciona. Eu mesmo, que me declaro como ateu gnóstico, não excluo a possibilidade da existência de “deuses naturais”, como disse num outro texto: Teísmo, agnosticismo, ateísmo agnóstico e ateísmo gnóstico. Um ótimo exemplo disso é uma das mais famosas frases de  Friedrich Nietzsche: “Deus está morto”. A frase aparece em dois livros de Nietzsche, A Gaia Ciência e Assim Falou Zaratustra, e tem diversas interpretações. Para alguns, com essa frase Nietzsche quis dizer que, de fato, deus teria sido morto, seja pela humanidade, por Darwin, pela ciência, etc; para outros, o que ele quis dizer é que deus simplesmente não existe; outros, ainda acham que essa frase significa que “deus […]

Read More

O apelo à autoridade nas religiões e pseudociências

Posted by on nov 27, 2013 in Artigos, Ateísmo, Ceticismo | 1 comment

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.2/10 (6 votes cast)

Há algum tempo atrás escrevi sobre o uso do apelo à ignorância em religiões e pseudociências, que é um dos “argumentos” que elas mais usam. Hoje, quero falar de outro desses “argumentos”: o Apelo à Autoridade. O funcionamento do apelo à autoridade é bastante simples: se uma pessoa que é considerada como “autoridade” afirma algo, logo isto é verdadeiro/válido. Isso se torna uma falácia exatamente porque ignora completamente o porquê da pessoa (a “autoridade”) ter afirmado aquilo. Quer dizer, pouco importa os argumentos ou evidências que a “autoridade” tenha apresentado para suportar o que diz, ou a lógica que ela usou, etc. Quer dizer, a afirmação se torna válida (na cabeça de quem usa esse argumento, claro) simplesmente devido à possível credibilidade daquela “autoridade”. Estou usando a palavra autoridade entre aspas porque, na verdade, não existem autoridades no sentido em que é usado por essa falácia. Pessoas não são infalíveis, pouco importa se falamos de um cientista ou de um clérigo. “O brilhantismo intelectual não é garantia contra… estar errado.” — Carl Sagan Isso sem falar que, invariavelmente, as pessoas mentem. É verdade, algumas mentem mais e outras menos, mas, ainda assim, todas mentem. Pouco importa a idade, etnia, origem, […]

Read More

Dízimo: promessa enganosa

Posted by on nov 20, 2013 in Artigos, Ateísmo | 3 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.3/10 (4 votes cast)

Dízimo é basicamente aquele valor deixado em igrejas, sejam de dominações religiosas, sejam de seitas religiosas. No Brasil o dízimo é obrigatoriamente voluntário (ao menos teoricamente), mas ele já foi exigido por reis na antiguidade e alguns países ainda permitem, através de leis, que instituições religiosas tornem dízimo obrigatório. Existem, basicamente, duas formas de pagamento de dízimo: a realmente voluntária e aquela feita sob chantagem emocional. A voluntária nem preciso explicar muito, o padre ou pastor pede e aquele que pode ou quer o dá. Em certas denominações religiosas, eles simplesmente passam uma cesta ou chapéu e quem quer dá algo, quem não quer, não dá. Sobre o pagamento voluntário do dízimo, não tenho muito o que falar ou criticar. É burrice, mas não há muito o que se fazer. Afinal, o dinheiro é da pessoa e ela o usa da forma que bem entender. Pode, inclusive, rasgar ou botar fogo, caso queira. Ou, dar a igrejas. Paciência, afinal, vai se fazer o que? Amarrar a pessoa no pé da mesa até que ela mude de ideia? Sem condições. Aquela feita sob chantagem emocional é feita quando determinada pessoa está desesperada, em busca de um milagre. Seja por motivo de […]

Read More

Os rumos do movimento ateu brasileiro

Posted by on abr 10, 2013 in Artigos, Ateísmo | 7 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Quando comecei a me envolver no ativismo ateu em meados de 2010 como indivíduo, isto é, antes mesmo de criar o Livres Pensadores. Na época eu tinha uma ideia do que eu “gostaria” para o movimento. O que veio a ocorrer depois, contudo, foi algo bem diferente. Como muitos daqueles com quem conversei, eu queria, à época, ver o movimento unido. Sabe? Brigas entre organizações ateístas superadas e todos lutando, juntos, mesmo que cada um de sua forma: uns criticando mais fortemente as religiões, outros se focando mais em direitos humanos, outros em direitos de minorias e outros até mesmo usando de humor. Pouco importa se para ridicularizar as religiões, afinal, crenças não passam de ideias e não se respeita meras ideias. Mas, ainda assim, todos com certo respeito, mesmo que mínimo, uns com os outros. O que aconteceu, no entanto, foi bem diferente. Fui perseguido por alguns do próprio movimento apenas por minha posição anticlerical e, depois, ainda fui vítima de pessoas que só posso descrever como alpinistas sociais. Realmente, há todo tipo de gente em todas as áreas em que o ser humano se envolve: desde as melhores até as piores. E as armas que certos “humanos” usam […]

Read More

Livre Pensamento vs. Religiões

Posted by on mar 13, 2013 in Artigos, Filosofia | 4 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Muita gente confunde o nome/expressão “livre pensamento” com religiosidade e/ou crença em deidades. Aconteceu diversas vezes de pessoas entrarem nas páginas do Livres Pensadores e da Organização Livres Pensadores no Facebook e reclamar de “estarmos usando o nome livres pensadores para criticar NOSSO deus e a SANTA AMADA igreja”. (Escrevi em maiúsculas por ser assim que tais pessoas escreviam). Mas este é um erro mais do que comum. Afinal, quem não viu Rachel Sheherazade, nem que por vídeos no Youtube, alegando que os ideais de liberdade viriam do cristianismo? O ponto é que tais ideais vieram da Revolução Francesa, não do cristianismo: Liberté, Egalité, Fraternité, ou la mort! (Liberdade, Igualdade, Fraternidade ou morte!) foram justamente o lema desta revolução. O livre pensamento nasceu exatamente do mesmo movimento (ou ao mesmo tempo dele) que gerou, depois, a Revolução Francesa: o iluminismo. Este foi um movimento cultural da elite de intelectuais do século XVIII na Europa, que promoveu o intercâmbio intelectual e foi contra a intolerância e os abusos da Igreja e do Estado. Assim, não poderiam haver coisas mais contrárias do que a religião e o livre pensamento. Mas há mais do que argumentos históricos para demonstrar esta oposição: temos a […]

Read More

Ateísmo fundamentalista?

Posted by on dez 26, 2012 in Artigos, Ateísmo | 10 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.9/10 (11 votes cast)

Já cansei de ler acusações de que determinadas pessoas ou organizações praticariam “ateísmo fundamentalista”. Já expliquei para umas vinte pessoas diferentes que isto não existe, mas continua sempre aparecendo mais gente com tal acusação, ao ponto que cansei de explicar. No lugar disto, é bem melhor deixar uma análise completa da coisa registrada num artigo, assim sempre que necessário basta passar o link. Então, vamos lá? Primeiro, vejamos o significado da palavra “fundamentalista”. Da definição do Wiktionary, que não cita uma religião específica (e é mais direta): fun.da.men.ta.lis.mo 1. crença na interpretação literal dos livros sagrados A primeira e mais óbvia questão é: existe “livro sagrado” no ateísmo? Sinceramente, se a resposta for sim então 1: eu não o conheço nem fazia ideia de sua existência e 2: abandono o ateísmo agora mesmo. Só não sei o que eu passaria a ser, visto que o ateísmo é justamente o oposto de todo o resto (a não crença, a irreligião, etc). É óbvio que tal livro não existe. Por mais que alguns ateus gostem muito de “Deus, um Delírio”, de Richard Dawkins; de “Deus não é grande – como as religiões envenenam tudo”, de Christopher Hitchens; ou mesmo de “O Mundo […]

Read More

“Devemos ser tolerantes”. Mas até que ponto?

Posted by on out 24, 2012 in Artigos, Filosofia | 6 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.2/10 (5 votes cast)

Muito tem sido dito, hoje em dia, sobre a tolerância. Muitas acusações estão sendo feitas, assim como muitos fatos têm sido observados. Atos absurdos de intolerância têm sido cometidos e noticiados pelo mundo. Um bom (e infeliz) exemplo disto é o caso da menina que morreu em Bangladesh após receber 80 chibatadas simplesmente por ter feito sexo fora (ou antes, no caso) do casamento (mesmo sendo possível que ela tenha sido vítima de um estupro, como parece ser o caso). Mas islâmicos não são os únicos intolerantes: devemos nos lembrar também das religiões cristãs que, com raras exceções, não aceitam a homossexualidade (na realidade nenhuma das sexualidades incluídas na sigla LGBT), além de negarem o acesso a direitos humanos (como o aborto e o casamento gay, até mesmo lutando contra estes direitos). Exatamente devido a coisas como estas, que vêm sendo mais noticiadas, temos visto muito mais a exigência, digamos assim, por tolerância. Esta exigência tem sido feita por ateus, humanistas em geral, minorias (como negros, LGBTs) e mesmo por pessoas que professam religiões minoritárias. Ao ponto que até mesmo pessoas que professam as maiores religiões começam a exigir isto. Assim, quanto mais o tempo passa, mais pessoas concordam que […]

Read More

Ciência: Criada para Destruir a Religião

Posted by on set 12, 2012 in Artigos, Ceticismo, Ciência | 2 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (3 votes cast)

Muitos entendem a afirmação contida no título da postagem como se fosse algo literal. Isto é, como se os pensadores que moldaram a ciência tivessem realmente pensado “ah, vamos fazer a religião sofrer e ser destruída!”. É óbvio que isto não é a realidade e sequer haveria cabimento nisso – afinal, a ciência é muito maior do que isto. Mas a afirmação continua sendo válida. Podemos demonstrar isto através de uma análise histórica, onde veremos que já tivemos uma diversidade imensa de deuses para cada fenômeno ou elemento natural: trovão (Ambisagrus, Júpiter, Kadlu, Loucetios, Taranis, Tinia, Thor, Tupã, Zeus), fogo (Agni, Angra, Bastet, Belenus, Brighid, Camaxtli, Creidhne, Goibniu, Grannus, Hefesto, Huracán, Loki, Luchtaine, Manco Capac, Ometecuhtli, Ptah, Varuna, Vulcano, Xiuhtecuhtli, Xocotl), vento (Euro, Noto), da terra (Enki, Kaus, Urash)… Em contraste, o que temos hoje? Todo um corpo de conhecimentos, os quais explicam perfeitamente tais fenômenos através de leis naturais. Mesmo os deuses de elementos (como o fogo e a terra), já não são mais adorados. “Quanto mais aprendemos, de menos deuses precisamos.” — Dan Barker Outro bom indicador disto, acho, é o número de cientistas ateus e agnósticos, frente aos que seguem alguma religião. Segundo o artigo “Scientists and […]

Read More

Graças a Deus

Posted by on set 11, 2012 in Artigos, Crônicas, Leitores | 4 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores. Sempre vi minha descrença em deus como a mais insignificante das minhas qualidades. Não me importo com religiões e com a crença alheia. Se esta não me for imposta, não me incomodo com aqueles que a praticam, o problema é do crente – ou talvez seja meu -, descobriremos após a morte, ou, se eu estiver certo, tudo chegará ao fim e não descobriremos nada, o que não irá importar, pois não terei consciência nem mesmo disso. Infelizmente, ou felizmente, não vivi cercado de pessoas que concordassem com esse modo de vida. Ateus são, como todos sabem, uma grande minoria no Brasil, portanto estes têm que aprender desde cedo a conviver com certa intolerância, ou simplesmente não manifestar suas ideias. No meu antigo emprego, repartia uma sala com duas mulheres. Ambas jovens, com algo em torno de vinte e cinco anos. Uma delas casada e a outra pensando em se casar. Em geral, elas eram pessoas de fácil convivência, mesmo sendo uma delas católica e a outra evangélica – ambas praticantes de suas crenças. Respeitavam-se entre si, na verdade, nas poucas vezes que as ouvi falando sobre religião, a discussão se dava […]

Read More

A união pela fé

Posted by on ago 8, 2012 in Artigos, Ateísmo | 4 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.4/10 (5 votes cast)

Muitas pessoas alegam que a fé teria, ao menos, o benefício de unir as pessoas. Afinal, muitas famílias se unem ao menos uma vez semanalmente, durante a missa de domingo. Isto sem falar na interação com outras pessoas da comunidade, que apenas a missa dominical seria capaz de proporcionar. Mas será isto verdade? Primeiro, será que apenas uma reunião semanal, para uma família, é algo saudável? Será que, ao invés disto trazer um benefício, isto não demonstraria um problema ainda maior dentro desta família? Acho que esta é uma questão fundamental e, para mim, a resposta é, sem dúvida alguma, sim. Famílias são uniões de seres humanos baseadas na consanguinidade (parentesco). Sendo assim, e como qualquer outra união de seres humanos, problemas surgirão. Isto é totalmente natural. Afinal, pessoas têm discordâncias, brigam umas com as outras e até cometem atos graves uns contra os outros. Imagine uma família cujo pai tenha abusado dos filhos durante suas infâncias, ou que seja violento com sua esposa e que esta não o denuncie ou abandone, até mesmo devido a motivos de fé. Em famílias assim é natural que os filhos acabem abandonando o lar, ao chegar a determinada idade. E, num quadro como […]

Read More

Diversidade

Posted by on jul 17, 2012 in Artigos, Ativismo | 1 comment

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 7.0/10 (3 votes cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores. (Originalmente postado na página do N.A.S.P. (Núcleo Ateísta de São Paulo) no Facebook, neste link. Pode ser compartilhado livremente) O homem estranha o homem. Sempre foi assim. Civilizações inteiras foram e ainda são destruídas por conta do estranhamento, da não compreensão do diferente. Porque só aceitamos aquilo que compreendemos. E isso precisa mudar. Cabe ao homem civilizado, no sentido mais amplo da palavra, buscar soluções para o entendimento entre as pessoas diferentes, entre os povos diferentes, sem cair nas armadilhas da metafísica e do deísmo inconsequente que, eles também, o deísmo e a metafísica, têm trazido muitas incompreensões. As três grandes religiões (cristã, judaica e islâmica) dizem adorar o mesmo deus, mas o fazem de maneiras tão diversas, que não conseguem se entender. Em vez de contribuir para a paz entre os homens, cavam fossos profundos entre si, acumulando ódios e rancores de tal Importância, que colocam em risco a própria existência. Estranham-se da mesma forma como fomos levados, pela propaganda, pelo cinema e por todos os meios de comunicação, a crer que tudo o que é diferente pode conter o mal. Destruímos nossa razão como o pensamento do medo, ou da […]

Read More

Racismo: mais estúpido, só o criacionismo

Posted by on jul 4, 2012 in Artigos, Ativismo | 5 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 7.8/10 (6 votes cast)

Quem de nós nunca viu um racista, normalmente branco, xingar um negro de “macaco”. Isto acontece muito no esporte, por exemplo, vez por outra vindo até mesmo da torcida, quando ouvimos gritos sequenciais de “Macaco! Macaco! Macaco!”. Eu sei, a maioria dos negros, diria eu, vê tal xingamento como algo realmente ofensivo. Contudo, para mim chega a ser algo hilário, porque, quando vejo isto, o que vem à minha mente é “um macaco tentando xingar o outro de macaco!”. Pois é realmente isto que nós, todos (incluindo os brancos), somos: macacos. Nada mais que macacos pelados. Ao contrário do que os criacionistas afirmam para tentar ridicularizar a Teoria da Evolução, nós, seres humanos, não viemos dos macacos: nós realmente somos macacos. Nossa espécie veio do ramo evolutivo do qual também vieram os chimpanzés e, provavelmente, os gorilas, segundo novas descobertas. Assim, o que eu faria se fosse negro ao ouvir tal xingamento seria simplesmente rir, mas rir muito, da cara do racista. Afinal, o riso é a maior arma contra preconceituosos, pois os faz se sentir ridicularizados, sem falar que alguém que xinga um negro de “macaco” só pode ser um criacionista (e ser mais imbecil do que isto é, […]

Read More

Porque ser contra as religiões?

Posted by on jun 26, 2012 in Artigos, Ateísmo | 7 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.7/10 (7 votes cast)

Nos últimos dias (final de junho de 2012) soltei, em meu Facebook, duas frases com a intenção de provocar as pessoas a pensar e ver o resultado disto. Uma destas frases era de minha autoria e a reproduzo abaixo. “Ateu que não acha que a religião tem de acabar é totalmente alienado, ou extremamente mal caráter. Mas prefiro supor a primeira opção.” A segunda frase é de Jean Meslier, um iluminista contemporâneo de Voltaire. Frase a qual, aliás, é mal atribuída a Voltaire, por estar no livro Extrait des sentiments de Jean Meslier, editado por Voltaire. A frase é a seguinte: “O homem só será livre quando o último rei for enforcado nas tripas do último padre.” –  Jean Meslier É óbvio que ninguém aqui propõe que realmente se saia por aí estripando padres e enforcando monarcas com as tripas dos primeiros – mas foi mais ou menos o que foi feito na época, na já bem conhecida (assim espero) Revolução Francesa. O curioso é que Meslier foi um sacerdote católico. Seu nome é conhecido até os dias de hoje devido à autoria de um ensaio filosófico promovendo o ateísmo, descoberto após sua morte, o qual é descrito como seu […]

Read More

O que será do ateísmo quando as religiões desaparecerem?

Posted by on jun 20, 2012 in Artigos, Ateísmo | 2 comments

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Como todos devem saber (ou não, não sei) as religiões deverão desaparecer em 9 dos países mais desenvolvidos do mundo até 2050. Em todo o mundo isto deverá demorar ainda mais, afinal tudo depende de quanto os governos aplicam em educação – mas, ainda assim, isto deverá acontecer, leve mais ou menos tempo. Então, digamos que as religiões desapareçam, no mundo todo, em 500 anos. O que acontecerá com o ateísmo? Será que ele também desaparecerá? Afinal, “ser ateu” nada mais é do que ter uma posição de oposição ao statu quo, isto é, uma posição de não crença e de não religiosidade (isto é, de não seguir religiões). É exatamente por este motivo que muitos dizem que o ateísmo simplesmente deixaria de existir, afinal “todos seriam ateus”. Mas seriam mesmo? Pergunto, pois estes se esquecem que “fim das religiões” não é o mesmo que “fim das crenças infundadas”. É verdade, são exatamente este tipo de crença que sustenta as religiões, mas elas também sustentam visões filosóficas como aquelas que tiveram Voltaire e Einstein: falo do deísmo e do panteísmo. (Apesar de eu considerar, ambas, mais visões filosóficas do que crenças, mas não importa no momento.) Eu, como cético que […]

Read More

Página 1 de 3123
ChatClick here to chat!+