Desculpas esfarrapadas

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 8.9/10 (8 votes cast)

Eu vejo muitos religiosos usando sempre as mesmas desculpas, viagra buy convictos de estão usando argumentos sólidos, site para defender, abortion justificar e/ou explicar determinadas passagens da bíblia. Neste artigo eu vou abordar as mais frequentes destas desculpas.

Você não está interpretando corretamente: Essa desculpa da interpretação é a mais batida de todas. Se os significados dos textos da bíblia (ou do livro sagrado de qualquer outra religião) são apenas uma questão de interpretação, então, em um mundo com 7 bilhões de habitantes, quantas interpretações diferentes existem? E, mais importante que isso, qual é a interpretação correta? Por que a sua interpretação, amigo teísta, esta certa e a interpretação de qualquer outra pessoa, que professe ou não a mesma crença que você, esta errada? Por que até mesmo entre os membros do clero existem divergências quanto a interpretação de determinados trechos da bíblia?
Mas vamos interpretar alguns trechos bíblicos:

“Então subiu dali a Betel; e, subindo ele pelo caminho, uns meninos saíram da cidade, e zombavam dele, e diziam-lhe: Sobe, calvo; sobe, calvo!E, virando-se ele para trás, os viu, e os amaldiçoou no nome do SENHOR; então duas ursas saíram do bosque, e despedaçaram quarenta e dois daqueles meninos.“ 2 Reis 2:23-24

Não sei quanto a vocês, mas a minha interpretação deste texto é de que seu eu chamar alguém de calvo, e esse alguém se ofender, então eu serei punido por deus, que é todo amor e todo bondade, com uma morte violenta, cheia de pavor, sofrimento e desespero, nas garras de animais selvagens. Estou interpretando errado, amigos religiosos? Sim? Então qual é a interpretação correta? Qual interpretação torna este ato tão brutal, injusto e sanguinário em algo agradável, divino, nobre e moral? O que justifica uma carnificina de 42 crianças?
Vamos a outro exemplo:

“E estavam ali postas seis talhas de pedra, para as purificações dos judeus, e em cada uma cabiam dois ou três almudes. Disse-lhes Jesus: Enchei de água essas talhas. E encheram-nas até em cima. E disse-lhes: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E levaram. E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo. E disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho.“ João 2:6-10

E então, qual é a interpretação para esse trecho da bíblia? É interessante que em trechos como esse, que não narram atrocidades como a de 2 Reis 2:23-24, os religiosos não alegam que haja alguma interpretação especial. Aqui, muitos cristãos afirmam que é apenas o relato de um milagre de Jesus, sem necessidade de interpretações. Mas, se por um acaso, alguém interpretar que essa passagem significa que, como Jesus transformou a água em vinho, nós não devemos nunca beber água e que, em vez disso, devemos beber apenas vinho? E agora amigos teístas, como fica essa conversa de interpretação?
O fato é que, quando um trecho bíblico narra algo que incomoda os cristãos, como estupro, escravidão, limpezas étnicas, genocídios e por ai a fora, surge a desculpa da interpretação, e geralmente com uma interpretação mirabolante que não explica nada. Fora que nunca nenhum religioso explicou, de forma convincente e embasada, por que a palavra de deus abre margem para interpretações em vez de ir direto ao ponto, como se um deus onisciente não soubesse a quantidade de problemas e confusões que isso gera.

Você está citando esse trecho fora do contexto: Tão frequente quanto a desculpa da interpretação, a desculpa do contexto é usada por muitos cristãos que sequer demonstram saber o que significa uma citação fora do contexto. Então, antes de mais nada, vejamos o que é uma citação fora do contexto: Quando um texto faz uma afirmação que, mais à frente, é refutada pelo mesmo texto, citar a afirmação sem citar a parte do texto que a refuta caracteriza uma citação fora do contexto. Por exemplo:

“Roubar é uma coisa boa se você quiser passar alguns anos na cadeia e conviver o resto da vida com o preconceito de ser ladrão e/ou ex-presidiário”.

Se você pegar a frase acima e citar apenas o trecho que diz que roubar é uma coisa boa e omitir o restante da frase, que refuta a ideia de que roubar é bom, você terá feito uma citação fora do contexto. Agora vejamos uma citação bíblica a qual eu já fui acusado várias vezes de citar fora do contexto:

“Tudo que for achado será transpassado e todo o que for apanhado, cairá à espada. Suas crianças serão despedaçadas diante de seus olhos; as suas casas serão saqueadas e a mulher de cada um estuprada.” Isaías 13: 15-16

Este trecho narra a destruição da Babilônia (que foi ordenada por que os babilônicos eram pagãos). Em nenhum momento do livro de Isaías, ou de qualquer outro livro bíblico, essa passagem, que ordena um verdadeiro genocídio, é refutada. Logo, “pinçar” este trecho da bíblia, como muitos cristãos gostam tanto de dizer, não é, de maneira nenhuma, citá-lo fora do contexto.
Outro exemplo:

“Estando, pois, os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. E os que o acharam apanhando lenha trouxeram-no a Moisés e a Arão, e a toda a congregação. E o meteram em prisão, porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer. Então disse o Senhor a Moisés: certamente será morto o homem toda a congregação o apedrejará fora do arraial. Levaram-no, pois, para fora do arraial, e o apedrejaram, de modo que ele morreu como o Senhor ordenara a Moisés.” Números 15:32-36

Neste trecho, deus decreta a sentença para quem trabalhar aos sábados: Morte por apedrejamento.
Quando eu cito este trecho da bíblia, muitos religiosos me dizem que ele está fora do contexto. Então muito bem, se esta citação está fora do contexto, eu desafio qualquer religioso a me mostrar o trecho da bíblia que refuta a sentença de morte por apedrejamento para quem trabalhar aos sábados.

Você tem que levar em conta a época: Essa é uma das minhas preferidas! Quando cito algum trecho da bíblia que narra alguma coisa que hoje sabemos ser errada, mas que na época em que o determinado trecho foi escrito era normal e aceitável, muitos cristãos alegam que eu tenho que levar em conta o momento histórico e/ou os costumes da época. Filhotes, ao usar essa desculpa o que vocês estão dizendo é algo que eu falo com frequência: Se o que está escrito na bíblia se aplica apenas para a época em que foi escrito, então a bíblia nada mais é do que um livro de história e deve ser tratada como tal.
Se não, vejamos:

“E quanto a teu escravo ou a tua escrava que tiveres, serão das nações que estão ao redor de vós; deles comprareis escravos e escravas. Também os comprareis dos filhos dos forasteiros que peregrinam entre vós, deles e das suas famílias que estiverem convosco, que tiverem gerado na vossa terra; e vos serão por possessão. E possui-los-eis por herança para vossos filhos depois de vós, para herdarem a possessão; perpetuamente os fareis servir; mas sobre vossos irmãos, os filhos de Israel, não vos assenhoreareis com rigor, uns sobre os outros.” Levítico 25: 44-46

Neste trecho, vemos que deus autoriza a escravidão, contanto que os escravos sejam estrangeiros. Este trecho da bíblia, inclusive, foi muito usado pelos senhores de escravos na América para “provar” aos africanos que eles foram escravizados pela vontade de deus. Perante esta passagem da bíblia, muitos cristãos argumentam que naquela época a escravidão era uma coisa normal e aceitável, mas se deus ama tanto assim as pessoas, então por que ele permitia que fossem escravizadas? Se deus é onisciente, ele não deveria saber, mesmo naquela época, que a escravidão é abominável? E, principalmente, já que naquela época a escravidão era aceitável e hoje não é mais, por que deus não envia um novo profeta para se retratar sobre esse trecho, passando a proibir a escravidão em vez de permiti-la?

Isso era no tempo da lei: Muitos cristãos, principalmente os evangélicos, quando questionados sobre algumas atrocidades do antigo testamento que, segundo a bíblia, foram cometidas ou ordenadas por deus, alegam que isso foi no tempo da lei (de Moisés) e que com o nascimento de Jesus deus firmou uma nova aliança com a humanidade, anulando a lei. Filhotes, como vocês conseguem chamar a si mesmos de evangélicos se nem sequer conhecem o evangelho? E se conhecem o evangelho, como raios alegam essa história de tempo da lei? Vejamos o que seu amigo imaginário, Jesus, fala no evangelho:

“Não penseis que eu vim para abolir a lei ou aos profetas. Não vim abolir, mas cumprir”. Mateus 5:17

Agora eu pergunto aos evangélicos e demais cristãos que usam a desculpa do tempo da lei, por que raios vocês usam essa desculpa se, segundo o evangelho, Jesus, a quem vocês consideram como sendo seu mestre, deixa bem claro que essa conversa do tempo da lei é a mais pura balela?

Mistérios divinos: Essa, com certeza, é a desculpa mais esdrúxula que muitos cristãos usam para defender passagens atrozes da bíblia. Usam frases de efeito como “os desígnios de deus são misteriosos”, “a mente humana não é capaz de compreender os mistérios divinos”, “deus tem um plano para sua vida que só será revelado na hora certa” e várias outras coisas do tipo. Apenas me respondam, se tudo é um mistério divino, como é que vocês simplesmente “sabem” o que são esses mistérios? Ou por acaso o mistério é só pra mim e pra vocês o seu amigo imaginário já revelou? E se ele revelou pra vocês, onde estão as provas de que essa revelação ocorreu? Se lhes foi revelado, por que ainda chamam de mistérios?

Exegese e Hermenêutica: Essas são muito usadas por aqueles que gostam de pagar de intelectuais. Primeiramente, vamos esclarecer, para os que ainda não sabem, o que exatamente isso significa.

Exegese é a interpretação profunda de um texto bíblico, jurídico ou literário. A tarefa da exegese dos textos sagrados da Bíblia tem uma prioridade e anterioridade em relação a outros textos. Isto é, os textos sagrados são os primeiros dos quais se ocuparam os exegetas na tarefa de interpretar e dar seu significado.

Hermenêutica é um ramo da filosofia e estuda a teoria da interpretação, que pode referir-se tanto à arte da interpretação, ou a teoria e treino de interpretação. A hermenêutica tradicional – que inclui hermenêutica Bíblica – se refere ao estudo da interpretação de textos escritos, especialmente nas áreas de literatura, religião e direito.

Muitos cristãos alegam que aqueles que não entendem de Exegese e Hermenêutica não estão qualificados para entender os textos “sagrados”. Como podemos ver acima, nas definições de Exegese e Hermenêutica, isto nos remete a desculpa da interpretação.
Além disso, se uma pessoa questiona um trecho bíblico, ou mesmo a bíblia como um todo, e um cristão alega que aquela pessoa não é qualificada para entender a bíblia, por qualquer motivo que seja, deixando o questionamento sem resposta, isso nada mais é do que a falácia ad hominem, que consiste em atacar e/ou desqualificar o argumentador em vez de contra-argumentar com ele. Também há aqueles que dizem ser especialistas em Exegese e/ou Hermenêutica e que por isso apenas eles é que são qualificados para interpretar a bíblia. Isso nada mais é do a falácia do apelo a autoridade… se uma pessoa é especialista em alguma coisa, parabéns por conquistar isso pelos próprios méritos. Contudo, o fato de alguém ser especialista em alguma coisa não significa que esta pessoa está sempre certa sobre esse assunto, nem tampouco exime essa pessoa de provar a veracidade do que ela afirma.

Deus está acima de nós, por isso não devemos questionar: Falácia da alegação especial.

Atacar a ciência: Quando eu cito alguma teoria científica (e suas provas/evidências) que contradiz a bíblia como, por exemplo, a Teoria do Héliocentrismo (que contradiz o trecho da bíblia que diz que o Sol que gira em torno da Terra) ou a Teoria da Evolução (que contradiz o trecho da bíblia que diz que deus criou o homem e os animais tal qual são hoje) muitos cristãos atacam a ciência.
Alguns dizem que a ciência não explica tudo. De fato, existem coisas que a ciência ainda não sabe explicar, mas isso não significa não haja explicação, significa apenas que a explicação ainda não foi descoberta. Existem muitas coisas que, durante muito tempo, ninguém sabia explicar, mas que acabaram sendo explicadas pela ciência. Por exemplo: por muito tempo as pessoas colocavam um pedaço de pão bolorento sobre as feridas, pois isso ajudava no processo de cura da ferida. Ninguém sabia o motivo e muitos diziam que isso era uma forma de bruxaria, até que, em 1928, Alexander Fleming descobriu que isso era devido a um antibiótico natural, derivado do bolor. Eis que foi descoberta a penicilina. Além disso, atribuir à deus tudo o que não se sabe explicar constitui a falácia do apelo a ignorância.
Outros alegam que “isto é apenas uma teoria”. Para estes falta o mínimo de conhecimento científico! Uma das primeiras coisas que se aprende quando se estuda qualquer ramo da ciência, em níveis acadêmicos, é que uma teoria científica não se trata de uma possibilidade, mas sim de um conjunto de estudos, suportados por evidências, que explica um determinado fato ou fenômeno.
Ainda tem aqueles que afirmam com veemência: “Eu não acredito na ciência!”. Filhotes, se vocês não acreditam na ciência, então parem imediatamente de colher os frutos da ciência. Joguem no lixo seus computadores, celulares, smartphones, tablets, fogões, geladeiras, micro-ondas, carros, motos, rádios, aparelhos de TV, nunca mais viajem de avião e/ou helicóptero e nunca mais usem nada que necessite de eletricidade para funcionar, nem mesmo lâmpadas. Também parem de usar imediatamente qualquer coisa que seja movida por um motor, roda d’água, cata-vento e etc. Além disso, quando adoecerem, nunca mais tomem remédios e nem vão ao médico, pois a medicina também é uma ciência.

Você tem que respeitar a bíblia: Essa não podia faltar. A maioria dos religiosos demonstra uma séria falta de capacidade para entender que o respeito é uma via de mão dupla, querem respeito para eles, seu amigo imaginário e seu livrinho, mas nada de respeitar os outros. A bíblia diz que, por ser ateu, eu sou o que existe de pior na humanidade e me condena sem julgamento e sem direito de defesa. Como raios eu posso respeitar a bíblia se aqueles que a escreveram, o ser que supostamente a inspirou, deixam bem claro que eles não só não me respeitam como também desejam todo o mal para mim?

Eu sinto em meu coração que a bíblia é a palavra viva de deus: Falácia do apelo emocional! Este tipo de afirmação tenta convencer através da comoção, sem apresentar argumentos lógicos, racionais e/ou razoáveis, nem provas ou evidências.

Desculpas esfarrapadas, 8.9 out of 10 based on 8 ratings

Autor(es):

Daniel

Sou desenvolvedor de softwares, ateu, cético, gamer, fã de Star Wars, mochileiro das galáxias, lutador de Hapkido, jogador e mestre de D&D. Converso sozinho e disfarço quando as pessoas percebem, defendo tudo aquilo que acredito estar certo, critico tudo aquilo que acredito estar errado, acredito que um mundo melhor é possível se cada um fizer a sua parte e observo o mundo ao meu redor para melhor entendê-lo, sempre em busca de novos e eternos aprendizados.

Todas as postagens do(a) autor(a)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+