Diâmetro angular do Sol e da Lua, a alegada coincidência… “hoje”

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 6.7/10 (9 votes cast)

Na Astronomia e Geometria, diâmetro angular de um objeto é o diâmetro aparente do objeto a um certa distância medido em uma medida de ângulo. Especificamente na Astronomia o diâmetro angular é usado para medir o tamanho de objetos no céu, como vistos da Terra. Pelo conhecimento de sua distância a partir da Terra, com seu diâmetro angular é possível então calcular o seu tamanho real.

 

www.astronomynotes.com

 

 

Recomendamos:

 

 

 

Agora um interessante gráfico com comparações de diâmetros angulares, incluindo os máximos e mínimos da Lua e do Sol, que pode servir de ferramenta até para se ter o diâmetro angular sem necessitar-se de uma medição “no céu”.

 

 

Comparação de diâmetro angular do Sol, da Lua e dos planetas. Para se ter uma verdadeira representação dos tamanhos, deve-se ver a imagem a uma distância de 102,6 [= 1 / tan (33.5/60 * pi/180)] vezes a largura do maior círculo (Lua, Moon: max.). Por exemplo, se este círculo é de 10 cm de largura em seu monitor, deve-se vê-lo de 10,26 m.
Ref.: m.teachastronomy.com

 

No caso da Lua e do Sol, a partir da Terra, como mostrado, uma certa proximidade de valores salta aos olhos.

 

Nós podemos explicar isso com algumas expressões matemáticas simples:

 

Diâmetro lunar  / Distância Terra-Lua = Diâmetro solar / Distância Terra-Sol

Se tomarmos os seguintes valores abaixo:

Diâmetro lunar = 3.474 km

Distância Terra-Lua = 376.000 km

Diâmetro solar = 1.400.000 km

Distância Terra-Sol = 149.000.000 km

 

Então teremos as duas razões similares:

 

3.474 / 376.000 = 0,009239361 e 1.400.000 / 149.000.000 = 0,009395973

 

Editado de: www.fountainmagazine.com

Corrigindo, por dados mais confiáveis:

 

3474,8 / 384399 = 0,00903956565964 e 1392000 / 149600000 = 0,009304812834225

Referências Wikipédia: Sol ; Lua ; Terra .

A razão entre as duas razões é de 0,971493550777415, uns 3% de serem idênticas.

Esta coincidência numérica é evidenciável bastando-se observar a foto de um eclipse total.

apod.nasa.gov

Esta coincidência rende debates pitorescos: www.godlikeproductions.com

Até nossos amigos” criacionistas produzem análises profundas sobre o tema:

 

Traduzido de: http://www.answersingenesis.org/articles/tba/splendor-of-creation

Por isso, tem o mesmo tamanho angular como o Lua [RefCRIA 1] – parecendo intencionalmente do mesmo tamanho e cobrindo a mesma porção do céu. É interessante que Deus fez os dois dos “grandes luzeiros”[Nota “AI!” deste 1] do mesmo tamanho e angularmente muito maiores (em ângulo) do que qualquer um dos outros objetos celestes.[Nota “AI!” deste 2] Não há nenhuma razão naturalista porque o Sol e a Lua sejam em apenas as distâncias exatas a ter o mesmo tamanho aparente, vistos da Terra.[Nota “AI!” deste 3] Tanto quanto sabemos, a Terra é o único planeta em que este é o caso.[Nota “AI!” deste 4]

Notas “AI!”, porque simplesmente doem, e como doem:

1. Impressionante que os produziu, mas não percebeu ao “psicografar” para o autor do primeiro capítulo de Gênesis que a Lua não ilumina a noite, surgindo durante o dia, decididamente, minha contradição bíblica favorita.

 

2. Aleluia! Pois imaginemos Sírius do mesmo tamanho do Sol, logo ali na esquina do sistema solar, fazendo  talvez o Sol orbitar e estarmos num sistema mais caótico que o que já nos encontramos, e ainda de brinde a nos torrar com radiação ultravioleta.

 

3. Ah, Poça D,água, esta incompreendida (by Camila Mano), que aqui poderia ter variações desde um satélite mais denso, embora menor, produzindo as mesmas marés que temos – e perceberemos que seriam as mesmas ao longo deste artigo e outro relacionado, ou uma estrela menor, mais vermelha, a uma distância menor, ou uma levemente maior e pouco mais quente, a uma distância menor.

 

4. Sim, pois criacionistas, não nos esqueçamos, conhecem todos os planetas do universo em seus menores detalhes, disfarçando aqui sua absoluta humildade [aos portadores da Síndrome de Sheldon Cooper, SARCASMO!] e é uma coisa impressionante que com a diversidade de satélites e distâncias do Sol aos planetas, isso tenha alguma importância, ainda mais depois do que apresentaremos. Mas a paciência é uma virtude. Antes de continuarmos: Dúvida terrível que me atormenta: Não bastaria Jeová escrever seu nome com uma enorme letra hebraica na superfície da Lua, aliás, com uma letra daquelas bem desenhadas, como as que foram aprendidas pelo povo analfabeto com os egípcios?

 

RefCRIA 1 (Referência Criacionista, onde se encontra revisado por “nossa turma” magníficas argumentações que procurem adequar os dados ao raio que o seja em que acreditamos, destacadamente, ao texto bíblico, por mais delirante no mitológico da Idade do Bronze e contraditório inclusive consigo mesmo que o seja, e dâne-se o restante):

D. Faulkner, “The Angular Size of the Moon and Other Planetary Satellites: An Argument For Design,”Creation Research Society Quarterly 35(1) (June 1998): p. 23–26.

 

Mas o problema já está ali em cima, com o gráfico que apresentamos, que resulta das medidas apresentadas com certa exatidão que disfarça displicência nos equacionamentos acima.

A Lua apresenta um perigeu de 363.104 km  e um apogeu de 405.696 km. [Lua] Enquanto a Terra apresenta um perélio de 147.098.290 km e um afélio de 152.098.232 km.[Terra]

Aqui, temos o conceito de “elipsidade” das órbitas (as proporções entre a distância máxima e mínima do corpo orbitante até o que está no foco da elipse que é a órbita), que é expresso na Astronomia pelo conceito mais completo de excentricidade.

Com proporções que são relacionadas com o diâmetro angular, um “cruzamento” do perigeu com o afélio, e do apogeu com o periélio, resultando em proporções para quando a Lua esteja mais próxima e o Sol mais distante, comparada quando a Lua está mais distante e o Sol mais próximo, noutras palavras, tomando-se a Lua quando está mais próxima “cruzada” com o Sol quando está mais distante, e o contrário, estes valores dão proporções de:

3474,8 / 363104 = 0,009569710055521 e 1392000/ 152098232 = 0,00915198014925, agora com a razão 1,04564366393492, 4,56%.

(A chamemos de razão “P/A”.)

E subsequentemente:

 

3474,8 / 405696 = 0,008565033917022 e 1392000 / 147098290 = 0,00946306037956, com a razão 0,905101898696754, -9,49%.

 

(A chamemos de razão “A/P”.)

 

Variações bem maiores e distantes cada vez mais do exato e místico 1.

 

Disto resulta a ocorrência de eclipses anulares ou eclipses em anel: um anel da luminosidade solar que pode ser vista ao redor da Lua, o que é provocado pelo fato do vértice do cone de sombra da Lua não estar atingindo a superfície da Terra, o que pode acontecer se a Lua estiver próxima de seu apogeu. Isso é similar à ocorrência do eclipse penumbral da lua. – isaquenewtonblog.blogspot.com.br

Noutras palavras, muito mais simples, nestes não há o total encobrimento do Sol.



Mas a questão é que tais ângulos são no nosso “tempo histórico”, pois o afastamento da Lua da Terra é tão inegável que serve de argumento até pelos “nossos amigos”:

“O fenômeno é o mesmo que explica o afastamento da Lua em relação à Terra: as marés que a Lua levanta em nossos oceanos estão gradualmente transferindo energia rotacional para o movimento lunar. Como resultado, a cada ano a órbita lunar aumenta cerca de 4 centímetros, e a velocidade de rotação da Terra diminui em 0,000017 segundos.” – criacionistaconsciente.blogspot.com.br

Confessemos: Eles não são realmente úteis?

Pois bem, com tal número (4 cm = 0,04 m = 0,00004 km), o supondo constante no tempo, temos as seguintes proporções nas razões entre perigeu e apogeu, e entre perélio e afélio, estes últimos aqui considerados constantes, mas que não o são, mesmo pela argumentação criacionista, mas tem variação insignificante frente ao muito mais significante afastamento da Lua ao longo da história da Terra para a questão do pregado como miraculoso “encaixe” da Lua com o Sol no céu.

Para os dados acima no formado planilha: Google Drive.

Portanto, percebemos que a “coincidência” se dá apenas em nossa recente habitualidade com observar os céus e fazer medições, e em breve se tornará, talvez, uma vaga lembrança de nossos descendentes, não passando de uma curiosidade, que por sinal, se existisse num passado remoto, não permitiria que a vida tivesse evoluido como evoluiu.

 

 

Leitura recomendada


Alteni Fidelis Pimenta, Luiz Danilo Damasceno Ferreira, Germano Bruno Afonso; EVOLUÇÃO DINÂMICA DO SISTEMA TERRA–LUA: UM MODELO SEMI-EMPÍRICO  – PDF

Diâmetro angular do Sol e da Lua, a alegada coincidência... “hoje”, 6.7 out of 10 based on 9 ratings

Autor(es):

3 Comments

  1. Gostei muito do site, do caráter científico do artigo e o do pdf científico também.

    E peço que me permita comentar brevemente a sua contradição bíblica favorita que me chamou a atenção pelo fato de não haver comentário explícito no Gênesis de que a luz da lua ilumina a noite; embora seja ela a principal fonte de luz durante a noite (não própria bem sabemos); uma constatação aliás óbvia ainda que a sua aparição principie durante o dia.

    O texto (Gênesis 1:14 a 18) se refere a ela e ao sol como luminárias, ou luz, da palavra hebraica ma’or. E vale notar que a luz surgida no primeiro dia é vertida de um termo hebraico distinto, embora semelhante, owr.

    Dos luzeiros, sol e lua, que por alguma razão não são assim mencionados no texto, diz que governam o dia e a noite, feitos para fazerem separação entre um período e outro, e serem sinais para estações dias e anos; postos nos Céus para iluminarem a terra fazendo separação entre luz e trevas.

    Objetar que a lua não ilumina a noite por surgir de dia, destacando daí uma contradição, é mais incrível que o posicionamento preciso dela entre a terra e o sol, que é bom lembrar, segundo os seus próprios cálculos, é uma coincidência não somente hoje, mas já há seis mil anos e o será por mais seis mil anos se a sua previsão estiver correta.

    Uma fixidez na natureza não se depreende do texto bíblico embora ele afirme a existência de leis que a regem, sendo insustentável uma exegese dele que negue a dinâmica na ordem natural, e mesmo conflito. Fica para outra oportunidade citar algumas interessantíssimas passagens que apoiam este ponto de vista.

    A mais sendo aparentemente ambos os luminares do mesmo tamanho fica a dúvida de como aquele a quem vc chamou de psicógrafo poderia dizer ser um maior que o outro. Será que o autor estava se referindo a uma diferença milimétrica e concluiu isto por cálculo a partir de um eclipse total do sol?

    Quanto à dúvida que o atormenta, espero esclarece-la. Certamente não bastaria YHWH escrever Seu nome com uma enorme letra hebraica na superfície da lua, para indicar ser o autor dela. Afinal muitos poderiam concluir que tal inscrição seria ilusão de ótica, ou coincidência; resultado de algum fenômeno climático, ou geológico que aleatoriamente a produziu; ou então, quem sabe, os deuses seriam realmente astronautas e também os responsáveis pela ainda inexplicável abiogênese aqui na Terra (panspermia); quem sabe vindos de algum dos infinitos multiversos cogitados pelas grandes mentes que investigam o que se pode demonstrar na natureza.

    Ora, sabendo que DEUS como um SER ETERNO, Transcendente a realidade criada não tem como ser provado pelas criaturas, assim como algumas coisas da própria realidade que criou na qual elas se inserem, Ele decidiu, coerentemente a este fato, que somente poderia ser acreditado por elas pela fé, uma fé (certeza e confiança) que se fundamenta na evidência fornecida pelas coisas que fez e na disposição do relacionamento delas com Ele, e que por causa disso será um conhecimento empírico intransferível. Com o que alguns sentados à mesa presidida com Einstein concordariam.

    Abs Gian

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: +8 (from 10 votes)
  2. Meu caro blogueiro, você comete os mesmos erros graves de outros anti-criacionistas: criticam a leitura literal da Bíblia mas fazem a mesma leitura literal da mesma, com olhos de milhares de anos APÓS ela ter sido escrita.

    Dê suas explicações para os aborígenes e veja a reação. Simplificando: o que você escreve só serve para você, não é uma literatura universal, como a Bíblia. Se você, com todo seu conhecimento, não sabe fazer exegese científica de um livro escrito há tanto tempo, fica complicado! No fundo, você quer apenas se mostrar maior que a Bíblia.

    Lamento informá-lo: a Bíblia venceu os milênios, apoiada inclusive por milhares de cientistas muito mais preparados que você. Daqui umas dezenas de anos estes seus escritos virarão bruma, e a Bíblia continuará, mais forte que nunca!

    Aceita um desafio? Reescreva a descrição da Criação sob sua ótica e poste aqui. Só que tem um detalhezinho: o seu público deve ser o mesmo que vivia há 3.500 anos atrás. Certo? Sinceramente, não acredito que aceitar este desafio.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: +1 (from 1 vote)
    • Olá

      E como explicar outras coincidências como a “sequência de Fibonacci” na flor do girassol, por exemplo?

      A sequência é: 0,1,1,2,3,5,8,13…ou seja, o último número é a soma dos dois anteriores

      VA:F [1.9.22_1171]
      Rating: 0 (from 0 votes)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+