Sobre a perfeição

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.


Você diz que o universo é perfeito, que a natureza é perfeita.

Mas você pensa nessa perfeição em relação ao quê?

Para constatar se algo é ou está perfeito, é preciso conhecer também o seu equivalente imperfeito. Você precisa de uma forma geométrica “perfeita” (lembrando sempre que o critério de perfeição é uma invenção nossa) comparada a uma forma “imperfeita”, por exemplo, de linhas aleatórias, sem paralelismos, sem simetria etc. Só assim você poderá concluir que uma dessas formas é perfeita – porque existe a outra, a imperfeita.

Então você pode dizer, entusiasmado: “Isto aqui ficou perfeito!” – comparando com algo que você mesmo fez antes e que não tinha saído perfeito.

Você pode pensar, por exemplo, que nenhuma árvore é igual a outra, portanto que são todas imperfeitas, compostas por formas aleatórias diversas, por vezes lembrando alguma simetria, outras vezes desafiando qualquer ideia de precisão simétrica.

 

Se a natureza é perfeita, onde está o elemento imperfeito para que você possa confirmar essa suposta perfeição?

Se o universo (outro nome para a natureza, são sinônimos, porque todo o universo é natural) é perfeito e, além disso, é tudo que existe, onde está o elemento imperfeito para que você possa confirmar essa absoluta perfeição? Fora do universo?

 

Postado por Perce Polegatto


 

Artigo submetido por um leitor do Livres Pensadores.

Sobre a perfeição, 10.0 out of 10 based on 2 ratings

Autor(es):

Perce Polegatto

Nascido em Ribeirão Preto, SP. Publicou seu primeiro livro em 1985, “A canção de pedra”, que traz alguns de seus primeiros trabalhos, ainda sob forte influência do romantismo tardio de autores alemães e franceses. A metalinguagem, a busca da identidade humana e o questionamento existencial são algumas das principais marcas de seus textos. É autor de “A conspiração dos felizes”, “A seta de Verena”, “Lisette Maris em seu endereço de inverno” e “Os últimos dias de agosto”, romance recentemente reeditado pela All Print Editora, São Paulo.

Todas as postagens do(a) autor(a)

One Comment

  1. Interessante questionamento levantado por você. De fato, creio que as pessoas buscam por algo perfeito, mas elas não tem nada em que se basear para sustentar essa crença, uma vez que elas mesmas não podem definir o conceito de perfeição, justamente por não se aproximarem desse conceito.

    Também penso, que, por mais que uma pessoa imperfeita se torne perfeita, mesmo levando em consideração o que eu disse anteriormente, ela ainda vai carregar traços de imperfeição, justamente por no passado ela ser assim.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: -1 (from 1 vote)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+