Por dentro de uma super-Terra pela primeira vez na história

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (1 vote cast)

Pesquisadores da University College London estudaram, pela primeira vez, uma super-Terra com mais detalhes. A super-Terra escolhida foi a 55 Cancri, descoberta em 2004. Utilizando o telescópio Hubble, da Nasa, os pesquisadores concluíram que a temperatura do planeta é de 2 mil graus Celsius, completa uma volta em torno de sua estrela-mãe a cada 18 horas e indícios de cianeto de hidrogênio foram encontrados.

Importância do estudo

As super-Terras são planetas semelhantes ao nosso, mas são maiores. Estuda-las mais afundo significa dar passos importantes na corrida para encontrar vida em outros locais do espaço. 2016 tem sido, até agora, o ano da reinvenção da astronomia.

Alfabetização científica

O pesquisador Orleylson Cunha fez uma análise sobre o Programa Ciência na Escola (PCE), do Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), e concluiu que a alfabetização científica é crucial para diversas carreiras acadêmicas. O estudo procurou entender como o PCE impacta a vida de vários estudantes do ensino médio  e fundamenta de Manaus.

Peixes-bois na natureza

Três peixes-bois, um mamífero importante da Amazônia, começaram o processo de adaptação a natureza graças ao trabalho do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Os animais foram levados para o semi-cativeiro, uma lagoa localizada em Manacapuru, a 68 quilômetros de Manaus.

Satélite Amazônia-1

Pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), fabricaram três câmeras que irão aumentar a qualidade das imagens feitas pelo satélite Amazônia-1. O satélite monitora o desmatamento e os recursos naturais brasileiros, reforça a segurança das áreas de fronteira brasileiras e ajuda na vigilância ao tráfico de drogas.

Astronomia indígena pede socorro

A etnoastronomia, ou astronomia indígena, corre o risco de desaparecer por conta da dificuldade de repassar os conhecimentos nos dias atuais. Antigamente, a astronomia indígena era praticada por muitas tribos das terras brasileiras e servia para marcar a passagem do tempo, cultuar deuses, conhecer as estrelas. É necessário um esforço conjunto para que essa leva de conhecimento não seja perdida e continue sendo repassada nas aldeias.

 

Yara Laiz Souza, acadêmica de Ciências Biológicas da UEA, manauara. Ex-aluna do IFAM/CMDI, ex-pesquisadora de PIBIC. Escreve sobre ciências para o Amazonas Atual, para a organização Livres Pensadores, para o Núcleo de Pesquisas de Ciências – NUPESC, para o site Ciência e Astronomia e para o site  Universo Racionalista.

Participe da coluna: mandesuapautaprayara@gmail.com

Sigam-nos nas redes sociais:  Facebook e Instagram

Por dentro de uma super-Terra pela primeira vez na história, 10.0 out of 10 based on 1 rating

Autor(es):

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

ChatClick here to chat!+